Moradores protestam contra mudanças no atendimento de hospitais em Teresina

Os líderes comunitários estiveram reunidos, na manhã desta segunda-feira (09), em frente ao Hospital da Primavera

09/08/2021 12:23h - Atualizado em 09/08/2021 12:43h

Compartilhar no

Os líderes comunitários estiveram reunidos, na manhã desta segunda-feira (09), em frente ao Hospital da Primavera, zona Norte de Teresina, para protestar sobre a possível transferência das maternidades e urgências de alguns hospitais para outras unidades de saúde da Capital, como a unidade e do Hospital do Buenos Aires.

Segundo as lideranças comunitárias, a retirada desses leitos prejudicará o atendimento dos pacientes que residem na zona Norte, que precisarão se deslocar para outros bairros e zonas. “Essa distância é muito ruim e pedimos que isso não aconteça. Queremos é que aumentem os leitos dos hospitais, que o atendimento seja feito de forma mais rápida e que esse atendimento não seja distanciado, porque com certeza muitas vidas irão embora”, destacou Socorro, uma das líderes comunitárias.

(Foto: Reprodução)

Os representantes informaram que buscaram um advogado para ficar à frente do caso e que já foram adotados procedimentos legais cabíveis, e que o advogado chegou a fazer denúncias sobre os fechamentos das urgências no Conselho Municipal de Saúde, e no Centro de Apoio Operacional de Defesa da Saúde (CAODS), órgão do Ministério Público, bem como na ouvidoria do SUS e do Ministério da Saúde.

Os líderes pedem que a Fundação Municipal de Saúde (FMS) reconsidere e não faça o fechamento ou transferências dos serviços para outras unidades de saúde da cidade. 

Hospitais não devem ser fechados

A Fundação Municipal de Saúde (FMS) informou que é parte do trabalho de rotina fazer avaliação da rede de assistência de Teresina. Todos os hospitais administrados pela FMS estão funcionando cada um com suas características e que a ampliação de qualquer unidade depende de aporte financeiro do Ministério da Saúde.

O presidente da Fundação Municipal de Saúde (FMS), Gilberto Albuquerque, garantiu que não há a possibilidade de fechamento do Hospital do Buenos Aires, e reforçou apenas que o local precisa passar por melhorias e reforma.

No dia 20 de julho, foi realizada uma reunião da equipe técnica da FMS com a presença de lideranças comunitárias da região do bairro Satélite, zona Leste de Teresina, para tratar de um projeto que visa reorganizar a saúde de Teresina. Um dos pontos discutidos foi o possível remanejamento da Maternidade do Satélite, na zona Leste de Teresina, para a Maternidade do Buenos Aires, na zona Norte.

Na reunião, o presidente da FMS, médico Gilberto Albuquerque, argumentou que apenas 13% dos atendimentos feitos na Maternidade do Satélite são de pessoas residentes naquela zona e todo o restante é de gente de outros bairros. Isso justificaria o fechamento da unidade e a transferência de seus serviços para a zona Norte.

Audiência discute tema

Para tratar sobre o tema, a Câmara Municipal de Teresina aprovou uma audiência pública, que ainda não tem data marcada, mas deve discutir a reorganização da saúde de Teresina. Na pauta, além do Hospital da Primavera, entrará também o Hospital Mariano Castelo Branco, localizado no bairro Francisca Trindade, na Grande Santa Maria da Codipi, que sofrerá mudanças no atendimento.

Compartilhar no

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário