HUT prioriza atendimento aos pacientes mais graves

Os demais hospitais ficam responsáveis pelo atendimento dos casos considerados de menor gravidade.

05/04/2019 09:08h

Compartilhar no

Especializado no atendimento de média e alta complexidade para urgência e emergência, especialmente para vítimas de trauma, o Hospital de Urgência de Teresina (HUT) realiza seu atendimento priorizando os pacientes mais graves. Essa medida obedece ao Protocolo de Acolhimento com Classificação de Risco que é um dispositivo da Política Nacional de Humanização do Ministério da Saúde. Deste modo, a rede de saúde do estado do Piauí referencia para o HUT somente os pacientes mais graves. Os demais hospitais ficam responsáveis pelo atendimento dos casos considerados de menor gravidade.

Um paciente referenciado é aquele encaminhado por outro hospital. Assim, a população deve procurar os hospitais de bairro, classificados como de pequeno e médio porte, para realizar o primeiro atendimento. Caso o paciente necessite de um atendimento mais especializado, a equipe médica passa o caso para a Central de Regulação de Leitos do município que faz a busca na rede de saúde e encaminha o paciente. Assim, o paciente tem garantido um atendimento especializado.

O sistema de Regulação de Leitos funciona 24 horas por dia e é responsável pelas internações e transferências entre os hospitais do município, além dos Hospitais São Carlos Borromeu e São Paulo. Dra. Clara Leal, diretora geral do HUT, disse que o trabalho da regulação é essencial para manter o Hospital atendendo somente os pacientes que estão dentro do perfil de atendimento.

“Já possuímos três habilitações de alta complexidade concedidas pelo Ministério da Saúde. A primeira foi como Unidade de Assistência de Alta Complexidade em Traumatologia e Ortopedia de urgência e emergência, a segunda em Terapia Nutricional Enteral e Parenteral e a terceira em Neurocirurgia. Ao direcionar nosso atendimento para os pacientes mais graves aumentamos as chances de sobrevivência, principalmente, quando se trata de politraumatizados. Temos uma grande estrutura física, equipamentos de ponta, além de profissionais especializados para atender demandas com esse perfil”, ressaltou Clara Leal.

Ainda de acordo com a diretora para tornar o HUT cada vez mais especializado e voltado para o atendimento de pacientes mais graves é preciso que a população compreenda esse fluxo e se direcione para os hospitais de bairro. “O HUT continua recebendo demanda espontânea, que é aquela que procura o Hospital sem passar pela Regulação. Isso compromete a qualidade do atendimento dos pacientes que realmente necessitam de uma assistência mais especializada, como é o caso do HUT. Para se ter uma ideia, nos primeiros três meses deste ano o HUT realizou 13.384 atendimentos, destes 6.555 foram pacientes não referenciados, ou seja, casos simples que poderiam ser resolvidos em um hospital de menor complexidade”, comentou.

Por mês, o HUT atende em torno de 4.600 pacientes e 1.100 cirurgias. Mais de 60% das cirurgias são ortopédicas de pacientes vítimas de trauma, sobretudo acidentes com motocicletas. “São pacientes graves que necessitam de um atendimento especializado. Para esse tipo de paciente somos referência e as chances de sobrevivência aumentam sobremaneira. Precisamos que a população entenda que cada hospital possui um perfil de atendimento. E que, quando isso é seguido, quem ganha é o paciente. Podemos fazer mais e melhor pela saúde de Teresina”, declarou Clara Leal.

Fluxo de atendimento

Para o primeiro atendimento, a população deve procurar uma das 90 Unidades Básicas de Saúde espalhadas pela capital. Para atendimento de urgência, a porta de entrada pode ser um dos sete hospitais de bairro ou uma das três UPAs. A Prefeitura de Teresina tem hospitais nos seguintes bairros: Parque Piauí, Monte Castelo, Primavera, Matadouro, Santa Maria da Codipi, Buenos Aires e Dirceu (em reforma). Ainda tem as Unidades de Pronto Atendimento (UPA´s) dos bairros Promorar, Renascença e Satélite. Para as urgências obstétricas a prefeitura tem a maternidade Wall Ferraz (CIAMCA), no bairro Itararé.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário