HGV tem 100% de leitos de UTI ocupados; hospital solicita reforço

Atualmente, o hospital dispõe de 20 leitos para atender pacientes graves de Covid-19

03/06/2020 16:17h

Compartilhar no

O Hospital Getúlio Vargas (HGV), uma das unidades referência no atendimento a pacientes com coronavírus no Piauí, está com 100% dos leitos de UTI  (Unidade de Terapia Intensiva) ocupados. Atualmente, o hospital dispõe de20 leitos para atender pacientes graves de Covid-19.

Foto: Governo do Piauí

Segundo o diretor-geral do HGV, Gilberto Albuquerque, explica que a quantidade de leitos de UTI disponíveis no hospital seriam suficientes paraatender à população piauiense, contudo, como estão sendo atendidos pacientes de outros Estados, isso tem causado a lotação das unidades de terapia intensiva.


LEIA TAMBÉM: Detento da Cadeia Pública de Altos foge do HGV; Sejus faz buscas 

“Hoje estamos enfrentando um problema porque dos 20 pacientes que estão internados em UTI, seis deles não são do Piauí. Temos pessoas de Manaus, São Luís e do Ceará, que conseguem entrar no Piauí por cidades do interior. Para nossa população seria o suficiente, mas os estados vizinhos de Pernambuco, Ceará, São Luis, Bahia estão em situação muito difícil. Temos três pacientes de Manaus que conseguiram chegar aqui de alguma maneira porque lá está pior. A nossa rede de saúde hoje não é só para o piauiense, são para outros estados e nós não sabemos qual será a pressão dessas pessoas entrando no Piauí”, conta o diretor-geral.

Em geral, os pacientes positivos para Covid-19 deveriam permanecer 10 dias internados. Entretanto, segundo Gilberto Albuquerque, os pacientes estão ficando até três semanas, especialmente os mais graves. Com a taxa de permanência elevada, a rotatividade dos leitos diminui, fazendo com que haja essa lotação.


LEIA MAIS: Teresina: Idoso pode ter contraído Covid-19 em ambulância; entenda 

“Um paciente com Covid fica até três semanas internados, pois nosso pacientes são os mais graves possíveis, que precisam de mais especialidades médicas. Nossa taxa de permanência deveria ser de 10 dias, mas não é. Ainda não recusamos pacientes por falta de leito, mas estamos no limite, por isso estamos tentando expandir os leitos”, completa.

Diante disso, o HGV tem se preparado para abertura de mais 10 novos leitos de UTI ainda nesta quarta e mais 10 leitos até o final da semana, totalizando 20 novos leitos.Com os novos respiradores que estão chegando ao Estado será possível ampliar esses leitos, garante Gilberto Albuquerque.

“Atualmente são 20 leitos no HGV, mas a nossa previsão é de que consigamos instalar 50 leitos de UTI ainda este mês. Contudo, além do Covid, estão sendo atendidos pacientes vítimas de outros traumas, como de trânsito, onde 92 pacientes são da regulação, internados em procedimento cirúrgico. O HGV segue atendendo a regulação de 106 outros hospitais, além de ser referência em Covid, ou seja, atendemos dois tipos de pacientes, os que vem da regulação, que a vida segue normalmente, os presidiários que são 32 e os pacientes de Covid, que são um número significativo”, explica.

Gilberto Albuquerque reforça que a Saúde do Piauí tem feito muitos esforços para que a estrutura hospitalar seja adequada para atender ao pacientes que possam vir a precisar do sistema em decorrência do Covid-19. Além disso, o diretor-geral do HGV pontua que os trabalhos de prevenção ao coronavírus iniciaram ainda no mês de janeiro, quando os primeiros casos foram notificados, resultando em praparações como compras de equipamentos de proteção individual (EPI), compra de equipamentos e treinamento de profissionais

“Não fomos pegos de surpresa, nos preparamos no que foi possível. Infelizmente, no Brasil inteiro, tivemos alguns casos em que não conseguimos os respiradores, mas conseguimos reformar espaços físicos adequados, treinamento de pessoas e compra de EPIs possíveis. O nosso planejamento pode ser bem discutido, mas a execução não é tão perfeita, porque depende de empresas que nos fornecem equipamentos e insumos, como medicamentos, que estão com dificuldade para manter esse estoque, como matéria-prima e logística. Aquilo que depende de estrutura física está tudo ok, mas os fornecedores estão com dificuldade e isso dificulta nosso trabalho”, esclarece.

Compartilhar no
Por: Isabela Lopes

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário