Greve dos motoristas e cobradores é suspensa após 14 dias em Teresina

Segundo o Sintetro, o movimento paredista não está sendo respeitado e que as empresa estão descontando os dias não trabalhados dos funcionários

10/11/2021 10:39h

Compartilhar no

Os motoristas e cobradores do transporte público de Teresina suspenderam a greve após assembleia realizada na manhã desta quarta-feira (10). A categoria deflagrou greve por tempo indeterminado no último dia 28 de outubro. Após 14 dias, os trabalhadores optaram por suspender o movimento paredista, uma vez que a greve não estava sendo respeitada.


Leia também: Vereadores denunciam “calamidade administrativa” com Dr. Pessoa na Prefeitura


Francisco Sousa, representante do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transportes Rodoviários do Piauí (Sintetro), explica que as empresas estavam descontando os dias não trabalhados pelos motoristas e cobradores que aderiram à greve. É importante frisar que os trabalhadores estão recebendo seus pagamentos com regime de diárias.

“A greve não teve sucesso já que os empresários continuam operando no sistema do jeito que querem, determinando a quantidade de ônibus que circulam e a Prefeitura não tem tido o controle sobre essa situação. No final de tudo quem está sendo prejudicado é o trabalhador, porque aqueles que não vão trabalhar a empresa desconta os dias de serviço. Embora a greve seja legal, a Justiça do Trabalho não tem obrigado os empresários a cumprir com suas obrigações, e diante dessa situação, a gente resolveu suspender o movimento paredista”, disse.

(Foto: Assis Fernandes/ODIA)

O Sintetro informou ainda que irá procurar o Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Passageiros de Teresina (Setut) para realizar negociações em busca de firmar a convenção de trabalho pedida pela categoria. A categoria

“Sem a convenção coletiva de trabalho fica inviável os trabalhadores continuarem realizando suas funções. A gente espera que a Prefeitura chame os trabalhadores para discutir com mais profundidade o tema para resolver esse impasse que dura quase dois anos. Também vamos buscar a Justiça do Trabalho para que entre na mediação desse conflito de uma vez, pois não é justo que estejamos ganhando menos de meio salário mínimo, os trabalhadores estarem passando fome e as empresas estarem operando do jeito que elas bem querem, sem punição”, acrescentou.

No turno da tarde será realizada uma nova assembleia com a categoria no intuito de ratificar a decisão tomada na reunião feita agora pela manhã. 

Contraponto

Por meio de nota, o Setut se manifestou, destacando que tem cumprido com o acordo firmado com a Prefeitura, no que se refere ao serviço prestado e ao pagamento das folhas que estavam em atraso. 

Confira abaixo a nota na íntegra:

“O Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Passageiros de Teresina (SETUT) informa que tem sido cumprido efetivamente o acordo firmado pela entidade com a Prefeitura com relação à frota da ordem de serviço e também o pagamento das folhas que estavam em atraso, como também da última parcela que a Prefeitura devia aos trabalhadores, no valor de R$ 721 mil. No momento, 96% da frota de 200 ônibus segue em operação na cidade. 

A entidade reforça que tem cumprido o seu papel com a sociedade e reforçado a prestação de serviços com qualidade, eficiência e agilidade no atendimento aos passageiros de Teresina. O Setut reitera ainda que não compactua e nem tem participação na paralisação dos trabalhadores e que o seu principal intuito é assegurar o pleno funcionamento do sistema.”

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário