Golpe: promessa de emprego na Prefeitura pode ter feito mais mil vítimas em Teresina

Os interessados nas vagas, chegaram a pagar de R$300 a R$600 reais a uma suposta empresa terceirizada.

04/08/2021 15:38h - Atualizado em 04/08/2021 15:52h

Compartilhar no

Mais de mil pessoas podem ter sido vítimas de um golpe de promessas de emprego na Prefeitura de Teresina. Os interessados nas vagas, chegaram a pagar de R$300 a R$600 reais a uma suposta empresa terceirizada. O flagrante foi realizado pelo Grupo de Apoio Operacional (GAO) da Polícia Civil, na última terça-feira (03), no momento em que uma mulher fazia o cadastro de pessoas, em um shopping de Teresina. 

De acordo com o Comandante do GAO, Joattan Gonçalves, o recrutamento das pessoas interessadas nas vagas de emprego era realizado pelas redes sociais. O Comandante acredita que mais mil pessoas podem ter sido vítimas do golpe. Duas pessoas foram acusadas de associação criminosa e estelionato.

“Os golpistas utilizaram uma empresa com um nome que já existe. Até o momento, não constatamos que a empresa real está envolvida nesse esquema. Nas redes sociais eram divulgadas essas promessas de emprego. As pessoas se deslocavam até um dos shopping da cidade para fazerem o cadastro e após serem recrutadas. Elas pagaram montantes consideráveis e algumas delas chegaram a fazer empréstimo para arcar com a promessa da vaga”, explica. 

Como funcionava

Segundo as investigações da Policia Civil, pelo menos 20 pessoas podem estar envolvidas no esquema. Em um primeiro momento, depois de recrutar os interessados nas redes sociais, era criado um grupo para o pagamento da quantia que podia variar de RS300 a R$600 pela vaga. O segundo passo era a criação de um outro grupo para realizar os cadastros. Depois era criado um terceiro grupo para a realização de testes e exames e por último, eram realizados os exames admissionais e a assinatura da carteira de trabalho. 

“Eles eram muito organizados. Nesse meio tempo de cinco a seis meses, eles mudavam de número, apagavam seus perfis nas redes sociais e então partiam para outro golpe. Chegamos a prender uma quadrilha que utilizava o mesmo esquema de promessa de emprego na Câmara Municipal de Teresina. Eles cobravam até R$30 por vaga e mesmo o valor sendo muito baixo, chegaram a arrecadar mais de R$30 mil”, relata o Comandante do GAO, que diz ter recebido mais de 300 ligações de vítimas denunciando o caso na manhã de hoje. 


Conversa entre vítima e um dos supostos golpistas 

Vítimas 

Vítimas relatam que a preocupação no momento não é em relação ao dinheiro pago à quadrilha, mas aos dados pessoas que foram repassados.

“O dinheiro está perdido, mas minha preocupação é resguardar os meus dados. Já recebi informações que já houveram pessoas que tiveram os nomes utilizados em compras. A gente desconfiava. É estranho fazer assinatura do shopping, mas sempre tinha uma desculpa. Eles falavam que se fossemos até a empresa, as pessoas iriam desconfiar e que o dinheiro que estávamos pagando seria para acelerar o processo de contratação”, diz uma das vítimas que prefere não se identificar. 

Outra vítima conta que não desconfiou que estaria fazendo parte de um golpe. 

“Parecia tudo certinho. Tinha o nome da empresa, CNPJ, carimbo. Foi combinado de irmos assinar esse contrato na praça de alimentação de um shopping, eu assinei e várias pessoas também foram assinar. Nunca fomos respondidos, nenhuma comunicação, eles sumiram, muitos foram bloqueados nos grupos, por exemplo”. 

Outra vítima diz que recebeu indicação da empresa através de uma amida, que viu as ofertas de emprego por redes sociais. 

“Eu fiz um pix de R$350 e encaminhei todos os meus documentos para o cargo de recepcionista. Os salários variavam de R$1.600 a R$3 mil. Conheço pessoas que estão desde janeiro esperando para assumir o cargo. Teve pessoas que chegaram a receber crachá, com foto e nome, mas sem local de trabalho. 

Compartilhar no

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário