• Clínica Shirley Holanda
  • Semana do servidor
  • Netlux
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

Funcionários de empresa de call center fazem protesto em Teresina

Eles reclamam da retirada de um ônibus que os levava até a sede da empresa e do atraso do reajuste salarial.

16/09/2019 16:02h

Um grupo de funcionários da empresa de call center Vikstar, que presta serviço de telefonia móvel e fixo da operadora Vivo, fez um protesto nesta segunda-feira (16), em frente à empresa, localizada no Distrito Industrial, na zona Sul de Teresina. Eles reclamam da retirada de um ônibus que os levava até a sede da empresa e do atraso do reajuste salarial.

Josiel Cunha, de 22 anos, é funcionário da empresa há pouco mais de um ano. Em entrevista ao Portal O Dia, ele relatou que um ônibus de linha pública fazia o deslocamento dos trabalhadores, do terminal de integração do Parque Piauí até a sede da empresa. De acordo com ele, na semana passada o veículo foi tirado de circulação, fazendo com que os trabalhadores precisem caminhar por cerca de 1,5 km.

Funcionários durante manifestação nesta segunda-feira (16). Foto: Arquivo Pessoal

“Eles disseram que o ônibus estava favorecendo a empresa de forma particular, a Vikstar antigamente tinha um ônibus que ela mesma pagava para ir deixar os funcionários, mas acabou tirando também. Pela rua que usamos até chegar à empresa acontecem diariamente muitos assaltos”, disse.

Ainda de acordo com o funcionário, outro ponto de reivindicação é o reajuste salarial. “A gente está recebendo os nossos salários com mesmo valor do ano passado que é de R$ 974. O novo que é R$ 998 a gente só começou a receber em setembro, sendo que tem o atraso dos meses anteriores”, concluiu.

Josiel reclamou ainda que os dias de folgas também são motivos da paralisação. Segundo ele, os funcionários trabalhavam seis dias na semana e folgava um. Agora, estão trabalhando sete com apenas um dia de descanso.

A reportagem tentou contato com a empresa Vikstar, mas as ligações não foram atendidas. O espaço permanece aberto para esclarecimentos.

Edição: Adriana Magalhães
Por: Jorge Machado

Deixe seu comentário