Escolas não estão preparadas para retorno presencial em Teresina, diz sindicato

O Sindserm afirmou ainda que uma 'greve sanitária' deve acontecer por conta da volta às aulas

06/08/2021 13:19h - Atualizado em 06/08/2021 13:34h

Compartilhar no

O Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Teresina (Sindserm) organizou uma  Assembleia Geral na manhã desta sexta-feira (06) reivindicando questões salariais e imunização da categoria contra a Covid-19. Os professores municipais afirmam que a prefeitura não concedeu reajuste do piso salarial na educação, além de não ter pago o retroativo devido. 

Além disso, os professores também reivindicam a vacinação completa de todos os profissionais da Educação, para que o retorno seja efetivado. Sinésio Soares pontua que uma possível ‘Greve Sanitária' acontecerá em função do retorno das aulas sem que as redes de ensino estejam preparadas.


Foto: Arquivo ODIA

Em reunião com o Sindserm, a Secretaria Municipal de Educação (Semec), na última quarta-feira (04), apresentou documento com todas as diretrizes aprovadas pelos órgãos de saúde sanitária. “A Semec garante que o retorno dependerá das ações que visem a segurança do professor e de toda a comunidade escolar", afirma Antônio Menezes, assessor jurídico da Semec.

Entretanto, em uma pesquisa realizada pelos próprios servidores, dados comprovam que das 320 escolas da rede municipal, 209 não estão preparadas para receber os alunos e professores. O presidente do Sindserm, Sinésio Soares, afirma que enquanto as escolas não estiverem adaptadas, não deve haver um retorno das aulas presenciais. 

“Nessas escolas não houve modificação do ponto de vista sanitário, não tem termômetro para medir a temperatura dos alunos na entrada, ou álcool em gel para higienização das mãos. É preciso ter máscaras para os alunos para reposição e não tem nada disso pronto”, declara.


Foto: Assis Fernandes/ODIA

Outra questão apontada pelos professores, refere-se ao pagamento do piso salarial, onde a prefeitura não apresentou calendário de pagamento e nem recebeu o sindicato para dialogar sobre o assunto que, de acordo com o presidente do Sindserm, está em pauta desde janeiro. 

Sobre esse ponto, Antônio Menezes afirma que já está providenciando a busca das informações jurídicas necessárias  sobre o pagamento dos retroativos referentes ao reajuste. “O secretário de Educação, professor Nouga Cardoso, já encaminhou para a Secretaria Municipal de Administração (SEMA), de acordo com o critério legal, as questões relacionadas aos pagamentos”, finalizou. 


Sindicato organiza greve geral do serviço público para o dia 18

Durante Assembleia Geral, nesta sexta-feira (06), diversos representantes dos setores municipais se reuniram para discutir as problemáticas de cada categoria. De acordo com Sinésio Soares, no dia 18 de agosto ocorrerá a ‘Greve geral do serviço público contra PEC 32’, em âmbito nacional. 

Esta PEC muda regras para futuros servidores e altera a organização da administração pública. Em uma das inovações, a proposta restringe a estabilidade no serviço público a carreiras típicas de Estado.

Com isso, muitos servidores estão reivindicando o reajuste anual do salário, além da imunização das diversas categorias. O presidente do Sindserm informa que após a paralisação, haverá uma reunião para discutir resultados e aguardar um posicionamento ou proposta de negociação da Prefeitura de Teresina.

Compartilhar no
Edição: Ithyara Borges

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário