CPI do Transporte Público: ex-secretário diz que Dr. Pessoa foge de responsabilidades

Francisco Canindé nega irregularidades e afirma que todos os pagamentos foram autorizados pela Strans

12/08/2021 10:09h - Atualizado em 12/08/2021 12:00h

Compartilhar no

O Ex-secretário de finanças de Teresina, Francisco Canindé, negou durante depoimento na CPI do Transporte Público,  nesta quinta-feira (12), qualquer irregularidade nos pagamentos realizados pela Prefeitura na última gestão. De acordo com o ex-gestor, que esteve na prefeitura de novembro de 2018 até o fim de 2020, todos os pagamentos foram autorizados pela Strans e fiscalizados pelos órgãos de controle jurídico. 

Foto: Tárcio Cruz/ODIA

Canindé criticou em sua fala a politização do debate e afirmou que a gestão de Dr. Pessoa estaria "fugindo" de sua responsabilidade de administração.

"Nunca houve irregularidades nos pagamentos da Prefeitura, as informações eram fornecidas pela Strans e todos os contratos foram fiscalizados pelos órgãos de controle. O problema do transporte público talvez seja um dos maiores no mundo, o sistema perdeu muitos passageiros e de forma ainda mais significativa em 2020 com a pandemia. É um tema que merece ser discutido e de forma séria, sem querelas políticas", disse.

"A politização desse tema é negativa. A Câmara tem o poder de investigar se realmente tiver algo para investigar, porém a Câmara não tem o poder de administrar, de gerir, de tomar decisões sobre o sistema. O poder concedente, quem tem que fazer é a prefeitura, se é a obrigação dela ela não pode fugir da responsabilidade, assim como nós não fugimos na gestão passada. Tivemos problemas, sim, mas sempre enfrentamos e buscamos soluções e inovar. Nem sempre acertamos, mas bem ou mal o sistema funcionava até o dia 31 de dezembro", concluiu o ex-secretário. 

Foto: Ascom CMT

Já o presidente da Comissão, o vereador Dudu (PT), destacou que a CPI irá investigar as informações fornecidas pelo ex-secretário. 

"O depoimento de hoje foi importante para esclarecer a situação dos pagamentos que foram realizados. O fato é que no relatório iremos dizer que no ano de 2020 pagamentos foram feitos apesar da pandemia e que no final do ano estes pagamentos deixaram de ser feitos. Vamos investigar se tudo estava dentro dos trâmites. Nosso objetivo é até o fim do mês de agosto concluir a CPI", afirmou Dudu. 

Relatório quase pronto

O relator da CPI, Enzo Samuel (PDT), confirmou que o relatório final da comissão deve ser apresentado ainda no mês de agosto. O parlamentar ressaltou a independência entre os poderes e afirmou que a responsabilidade para resolver o caos no transporte público será de fato da Prefeitura de Teresina. 

“Já ouvimos vários depoimentos e colhemos os documentos que irão embasar o nosso relatório para tentar resolver esse caos no transporte público. Deixando claro que a responsabilidade é da prefeitura, cabe a ela resolver o problema desta concessão. Os poderes são independentes, com o relatório ou não a prefeitura tem a sua responsabilidade sobre o sistema do transporte público, é ela que vai dar os rumos e é ela que vai conduzir”, finalizou o vereador. 

Foto: Ascom CMT

Compartilhar no

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário