Comerciantes chegam a vender mais de 100 kg de peixe por dia

Período que antecede a Semana Santa está movimentando o Mercado do Peixe e os vendedores comemoram a boa fase

12/04/2019 06:56h

Compartilhar no

Durante a quaresma, a procura por pescados tende a aumentar, principalmente no Mercado do Peixe, na zona Sudeste de Teresina. Os comerciantes do local estão comemorando as boas vendas e, alguns, chegam a vender mais de 100 kg de peixe por dia. Os preços continuam sendo mantidos, o que tem atraído mais consumidores.

A comerciante Silvia Tânia conta que a procura tem crescido muito nas últimas semanas e, para atender à demanda, ela está comprando mais de 100 kg de pescado por dia. Dentre os peixes mais procurados pelos consumidores está a pescada amarela, surubim e o camarão. Os peixes de água doce possuem preços mais em conta, sendo possível encontrar o quilo da tilápia por R$ 13, do tambaqui por R$ 10 e piratinga a R$ 22. O peixe de água salgada com maior procura é a pescada amarela, que pode ser adquirida por R$ 30 o quilo. Já o bacalhau pode ser encontrado por até R$ 60/kg. 

“Aqui todo dia chega caminhão de peixe para atender à demanda, porque as pessoas estão consumindo muito neste período. Estamos vendendo bem neste período de quaresma, mas com a proximidade da Semana Santa, a tendência é que a procura aumente ainda mais e vendamos mais também. As pessoas estão comprando de tudo um pouco, então precisamos estar abastecidos”, comenta.


Foto: Poliana Oliveira/O Dia

A empresária Francisca Casiana da Silva revela que as carnes brancas fazem parte de suas refeições diárias e que o pescado é um dos alimentos mais consumidos por ela e sua mãe. Por consumidor diariamente, ela conta que os preços ainda estão dentro do esperado e quase não tiveram alteração, contudo, ela enfatiza que os valores tendem a subir quando se aproxima a Semana Santa. 

“Geralmente, consumo o mesmo tipo de peixe, como piau, tambaqui e a tilápia, que são peixes de água doce. Como eu compro sempre, tenho noção dos valores e tenho percebido que ainda tem se mantido, mas acredito que vá subir com a proximidade da Semana Santa. Apesar de saber que vai aumentar mais na frente, eu prefiro comprar o peixe fresco, mesmo pagando mais caro, do que comprar agora e congelar”, disse Francisca Casiana.

O empresário Raimundo Nonato Brandão possui um restaurante e conta que, nesse período de quaresma, os preços sempre tendem a subir, devido à lei da oferta e da procura. Porém, como no seu restaurante os valores das refeições são tabelados, ele fica impossibilitado de aplicar esse aumento aos alimentos, o que provoca um pequeno prejuízo.


O quilo do bacalhau pode ser encontrado por até R$ 60 - Foto: Poliana Oliveira/O Dia

“Tenho sentido o aumento de até 20% no preço do pescado com a chegada da quaresma, mas como vendemos pratos feitos e tabelados no cardápio, então sofremos com o prejuízo, já que não tem como repassar para o cliente, fazendo cair a nossa margem de lucro”, explica.

Dentre os pescados mais consumidos no restaurante de Raimundo Nonato está o camarão e a tilápia. Já para seu consumo pessoal durante a Semana Santa, o empresário opta pelo tambaqui, matrinxã e a pescada. 

“Nós trabalhamos com peixes, então sempre temos no estabelecimento, mas a gente prefere vir comprar no dia, fresco, apesar de mais caro. Vale a pena pagar mais caro por um produto de qualidade. Os consumidores já estão acostumados com essa oscilação de preço, então não é nada que assuste as pessoas”, finaliza o empresário Raimundo Nonato.

Compartilhar no
Por: Isabela Lopes - Jornal O Dia

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário