"Com invasão não há negociação", diz governo sobre protesto no Karnak

No 8º dia de greve da Uespi, alunos e professores ameaçaram invadir o Palácio para pressionar o governo a investir em melhorias na instituição

26/03/2019 12:39h - Atualizado em 26/03/2019 13:16h

Compartilhar no

Com cartazes, gritos e tambores, professores e alunos da Universidade Estadual do Piauí (Uespi) protestaram em frente ao Palácio de Karnak, no Centro de Teresina, nesta terça-feira (26). A ação é decorrente da greve na instituição, que já passa de uma semana. Alguns estudantes chegaram a pular as grades do Karnak. Nesta segunda-feira (25), professores e alunos se reuniram com o Secretário de Administração do Estado, Ricardo Pontes, contudo não houve nenhum acordo.


Alunos e professores da Uespi protestam no Karnak. Foto: Reprodução/Sinserm 

Procurado pela equipe d’O Dia, o governo do Estado explicou que houve uma reunião entre os representantes das duas partes para que fossem ouvidas as reivindicações. Porém, hoje pela manhã os manifestantes invadiram a sede do governo. De acordo com a assessoria, não há possibilidade de negociação se houver invasão, uma vez que todas as demandas já foram recolhidas, segundo o governo.

O professor Luciano Melo, que faz parte do comando do movimento grevista, afirmou que nenhuma contraproposta foi apresentada por isso a paralisação e as manifestações continuam. “Estamos aqui para pressionar o governo. É preciso investimento na Uespi, pagamento da bolsa dos estudantes, recuperação da estrutura física da instituição, além da contratação dos professores classificados. Estamos com um déficit de quase 300 disciplinas sem professores. É  hora de pressionar o governo”, justificou.

“Pretendemos ficar um bom tempo aqui tentando essa negociação e depois temos outras atividades ligadas à greve para realizar. Cada campus está mobilizado em prol das melhorias na universidade”, completa o docente.


Compartilhar no
Edição: Ithyara Borges
Por: Geici Mello

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário