Cerca de 300 mil livros estão disponíveis na 15ª edição do Salipi

Nesta 15ª Edição, uma das apostas é o encontro entre o livro digital e o físico.

05/06/2017 09:15h - Atualizado em 05/06/2017 11:03h

Compartilhar no

A 15ª edição do Salão do Livro do Piauí (Salipi) abriu na sexta-feira (02) suas portas ao público e oficialmente começou a funcionar, ontem (03), com espaços literários, exposições artísticas e venda de livros. Sediado pelo quarto ano consecutivo na Universidade Federal do Piauí, os 10 dias do evento tem programação voltada para atividades que envolvem literatura, arte, shows com bandas locais e nacionais e lançamento de livros. 

Nesta 15ª Edição, uma das apostas é o encontro entre o livro digital e o físico. No local, uma sala interativa equipada com tablets proporciona aos leitores uma experiência com os e-books, mais conhecidos como livros digitais. De acordo com Kássio Gomes, presidente da Fundação Quixote, entidade que organiza o evento, a campanha desse ano trabalha em cima da conectividade. 

Segundo ele, o objetivo é fazer o público das redes sociais despertarem interesse pela leitura. “Nós temos uma sala com cino tablets com livros digitais já baixados nele, o público pode ficar nessa sala e aproveitar os títulos disponíveis. A cada edição, o evento se renova e busca superar o número de visitantes do ano anterior”, comenta Kássio. 

O organizador destaca ainda que a importância do Salipi está na união das gerações, o evento aproxima as crianças e incentiva que elas se tornem leitores desde cedo. Além disso, ele afirma o trabalho de inclusão que o Salipi faz a cada ano, e que nesta edição, uma novidade é palestra com a linguagem de libras. “É o inverso, não é alguém fazendo os sinais, é a palestra acontecendo em Libras e alguém ali traduzindo para o público. Uma grande conquista do Salão, permitir que todas as pessoas tenham acesso”, afirma. 

Em mais um ano o Salão do Livro do Piauí quer aproximar crianças da literatura e incentivar a leitura (Foto: Moura Alves/ O Dia)
Ao todo, são esperadas que 200 mil pessoas passem pelos corredores onde são expostos os mais de 300 mil livros em cerca de 85 stands do Salão do Livro do Piauí. No último dia, o evento encerrará com show da banda Biquíni Cavadão e a expectativa é de 40 mil pessoas no local

Espaços e atividades da programação promovem encontro entre autores e leitores 

O Salão do Livro do Piauí é segmentado em muitos espaços que oferece desde oficinas de gravuras destinadas a crianças até apresentações artísticas. Na programação, o visitante pode acompanhar durante o dia todo o lançamento de livros no Bate-Papo Literário, que teve sua capacidade de público aumentada nesta edição do Salão. Este ano, cerca de 80 livros serão lançados nos 10 dias do evento. 

Também há a 20ª edição do Seminário Língua Viva, em que diversos assuntos são abordados por escritores, pesquisadores e professores de todo o Brasil e este ano traz nomes como Marcelo Rubens Paiva, Isabela Freitas, Luiz Felipe Pondé, Thalita Rebouças, Babi Dewet, entre outros. 

Um dos coordenadores do salão, professor Luiz Romero, explica que as sugestões do público são coletadas através de redes sociais e os autores mais indicados são trazidos ao evento. Além disso, o professor aponta a importância da interação do público com os escritores que participam do Seminário Língua Viva e Bate Papo Literário. 

“São escritores já consagrados e que vão se encontrar com o público. Essa interação do público com o autor parece muito saudável porque é o encontro de três instituições: o livro, autor e o leitor”, acrescenta. 

Já os espaços voltados para as apresentações artísticas terão shows de bandas locais no palco Marcos Peixoto e espetáculos de dança, no Palco Helly Batista. Já as crianças tem o Espaço Liz Medeiros, onde as crianças podem desenvolver habilidades artísticas fazendo gravuras. De acordo com a diretora administrativa da Fundação Quixote, Edilva Barbosa, 6 mil crianças estão agendadas para participarem das oficinas de gravura. “O salão aborda todas as linguagens da arte. Trabalhamos a musica, a literatura, artes visuais, dança, teatro, tudo isso tem dentro do salão”, fala. 

Este ano, o Salipi homenageia o historiador piauiense Odilon Nunes. Além disso, também celebra o centenário de exposição de Anita Malfatti, considerada revolucionária e que marcou o Modernismo Brasileiro; e também o centenário da Academia de Piauiense de Letras

Compartilhar no
Edição: Yuri Ribeiro
Por: Letícia Santos

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário