• Canta
  • SOS Unimed
  • Fagner
  • Trilha das emoções
  • Novo app Jornal O Dia

Cerca de 120 mil pessoas celebram o amor na 17ª Parada da Diversidade

A concentração aconteceu por volta das 16h. A multidão seguiu até o Complexo Turístico Ponte Estaiada, onde o ato foi encerrado à noite com um show da cantora Pabllo Vittar.

03/09/2018 06:59h - Atualizado em 03/09/2018 09:22h

Celebrar o amor e reivindicar mais direitos e espaços sociais. Uma multidão foi à rua neste domingo (02), em Teresina, com esse objetivo. Juntos, em um só coro, em um grito de igualdade, marcharam na 17ª Parada da Diversidade. A concentração aconteceu por volta das 16h, nas proximidades do Parque Potycabana. A multidão seguiu até o Complexo Turístico Ponte Estaiada, onde o ato foi encerrado à noite com um show da cantora Pabllo Vittar. De acordo com a Polícia Militar, cerca de 120 mil pessoas participaram do evento.

Carmen Ribeiro, coordenadora de assuntos institucionais do grupo, entidade realizadora do evento, destacou que a Parada da Diversidade encerra um ciclo de atividades voltadas para a promoção da visibilidade e da luta pelos direitos LGBTs. Para ela, esse é um momento simbólico onde essa população se junta a outras minorias para reivindicar a igualdade e pedir por mais tolerância.

Foto: Assis Fernandes/ODIA

“A Parada da Diversidade e a Semana do Orgulho de Ser são dois atos políticos. Aqui não é só a parada pela parada. Antes da parada acontecer, existe toda uma semana de palestras, debates, oficinas e de atrações culturais. É um momento em que a gente dialoga com todo mundo. Nos unimos as matrizes de raízes africanas e com os cadeirantes e a gente dialoga no sentido de pedir um país mais tolerante. A parada vem para mostrar isso”, comenta Carmen.

Para Marinalva Santana, em um momento de instabilidade política, em que os direitos LGBTs também são questionados, a Parada da Diversidade assume um papel mais que necessário. As vésperas das eleições, ela destaca que o evento também abre um espaço para que se discuta representatividade e ocupação política. Dessa forma, o Matizes procura dialogar junto com a comunidade LGBT, a importância de um voto consciente.

Marinalva Santana. Foto: Assis Fernandes/ODIA

“A parada desde a primeira edição tem como objetivo principal reivindicar a igualdade de direito e para isso nos vamos a ruas para dizer à sociedade que nos queremos direitos iguais. E nesse momento, onde as conjunturas são totalmente adversas, atos como esses são mais que necessários, porque só através da luta e da organização a gente consegue se contrapor a essa onda conservadora. Chamamos também a atenção dos LGBTs para votarem a favor de nós mesmos”, comenta.

O evento reuniu grupos e caravanas oriundas de São Luís, Fortaleza e Natal, além de municípios do interior do Piauí. Alice Oliveira, uma das fundadoras do Grupo Somos, veio do estado vizinho do Ceará, para também apoiar o evento. “A parada ela tem como função aglutinar o maior número de integrantes da comunidade LGBT. Nesse momento em que vivemos de tanto retrocesso ela tem uma importância impar, porque não é uma mera parada, é um ato politico, é um momento onde podemos, de forma alegre, falar também das nossas reivindicações, mostrar o que acontece com a gente”.


Foto: Assis Fernandes/ODIA

Padrinhos

A 17ª Parada da Diversidade contou com o apresentador Mariano Marques e a professora Sara Jane Costa Haddad como padrinhos. A escolha aconteceu em uma votação pela internet e se deu em virtude do trabalho, de apoio, visibilidade e promoção da diversidade, desenvolvido pelos concorrentes. Para Sara, ser escolhida como madrinha, é um reconhecimento de uma trajetória dedicada à inclusão e a população LGBT.

“Sinto-me reconhecida, valorizada e muito emocionada. É uma experiência que passa pelo afeto, por anos de trabalho, mas, sobretudo de afeto pelas pessoas, pela diferença e pela alegria que é essa diversidade toda. Essa parada mostra que a gente pode sim se afirmar em meio a essa turbulência, inclusive ela é necessária, porque a gente mostra que somos pessoas organizadas e capazes de lutar por direitos que não podemos abrir mão”, comenta a professora.

Por: Yuri Ribeiro

Deixe seu comentário