Casa onde família foi ‘engolida’ por cratera será demolida nesta terça

Segundo SDU, o local era de ocupação irregular e teria uma galeria passando por debaixo da residência, fazendo com que sua estrutura fosse oca. Residências no entorno correm risco.

11/12/2018 07:52h

Compartilhar no

A Prefeitura de Teresina, por meio da Superintendência de Desenvolvimento Urbano (SDU) Centro-Norte, vai demolir na manhã desta terça-feira (11) a casa onde uma família inteira foi “engolida” por uma cratera no último dia 07, no bairro Água Mineral. Na ocasião, o casal dormia no quarto, acompanhado de seus três filhos, quando foram surpreendidos pelo chão cedendo e o buraco de 7 metros de profundidade se abrindo. Uma das crianças chegou a sofrer traumatismo craniano.

A fiscalização da SDU constatou que a residência se trata de uma ocupação irregular, ou seja, foi construída sobre um terreno inapropriado e não e não autorizado pela Prefeitura. De acordo com o superintende Weldon Alves, da SDU Centro-Norte, por baixo da casa passa uma galeria, o que significa que o fundo da construção é completamente oco e, portanto, não possuía sustentação.


Buraco que se abriu no chão do quarto onde a família dormia. Cratera tem 7 metros de profundidade (Foto: Reprodução/Whatsapp)

“A casa foi construída em cima de um poço de visita [bueiro por onde se tem acesso às redes de serviços subterrâneos como córregos, esgoto, linhas elétricas e de telefone] e não possuía sustentação nenhuma. É uma obra em cima de uma galeria e por isso cedeu. Inclusive pode ceder ainda mais, por isso removemos imediatamente a família e vamos providenciar a demolição, para tentar recuperar o poço de visita e evitar que isso também atinja as casas nas proximidades”, esclareceu Weldon Alves.

A família que vivia na residência está sendo assistida pelo Programa Família Acolhedora, da Prefeitura de Teresina. De acordo com a SDU, eles já seriam os segundos moradores da casa, ou seja, uma outra família já havia ocupado o local antes deles, mesmo sendo uma construção irregular e em área de risco.

O superintendente explica que, por diversas vezes, a Prefeitura teve que desocupar a área, mas que, pela falta de fiscalização e vigilância e 24 horas, as famílias acabam retornando ou outras famílias acabam se dirigindo para estas áreas impróprias e ocupando os locais.

A demolição da residência está prevista para as 10 horas da manhã de hoje e a PMT preparará um estudo sobre a região em seu entorno para avaliar os riscos que as casas construídas correm.

Compartilhar no
Por: Maria Clara Estrêla

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário