Atraso na reforma da Central de Artesanato provoca queda nas vendas

Frequentadores do espaço também reclamam da insegurança e dos incômodos ocasionados pela paralisação das obras.

22/03/2019 07:02h

Compartilhar no

Parte do complexo cultural do Centro de Teresina, a Central de Artesanato Mestre Dezinho passa por uma reforma desde 2017. Atualmente, a obra encontra-se parada e a situação incomoda frequentadores e comerciantes do espaço. 

Uma lojista que preferiu não se identificar falou sobre as dificuldades geradas pela reforma. Ela já trabalha no local há dez anos e considera que o espaço carece de melhor administração e maior divulgação. “Reduziu bastante as vendas após a reforma. Têm vezes que está deserto. [Além disso], é um local público, recebe turistas e estudantes do interior, e aqui não tem mais bebedouro, o que prejudica as crianças que, às vezes, não têm dinheiro para comprar água ou lanche”, assinala. 

A lojista conta ainda que, durante a reforma dos locais onde as lojas funcionam, os comerciantes colocaram espécies de barracas na área exterior para evitar que os empreendimentos ficassem parados e, com isso, deixassem de realizar as vendas. 


Corredores esvaziados comprovam baixa movimentação - Foto: Poliana Oliveira/O Dia

Uma frequentadora da Central de Artesanato, que também preferiu não se identificar, reforça que as obras no local geram transtorno. “Frequento a Escola de Dança, que fica na parte superior do Centro, e precisamos passar pela reforma, o que gera um transtorno, porque tem muita poeira, madeira, parte de concreto pelo caminho. Nós corremos um risco também porque o prédio está sem segurança. Têm várias salas na parte de construção, sem ninguém, desertas. Isso gera muito desconforto, porque ficamos com medo de passar por ali”, afirma. 

Além das lojas de artesanato, também funciona na Central de Artesanato Mestre Dezinho a Escola de Dança Lenir Argento (que já passou pela reforma) e a Escola Estadual de Música Possidônio Queiroz.

Previsão de retomada

Procurada pela reportagem, a Secretaria do Estado de Cultura (Secult) informou que a obra ainda não foi concluída devido à reforma administrativa proposta pelo governador Wellington Dias e encaminhada para a Assembleia Legislativa do Piauí, que propõe corte de gastos e realocação de secretarias e órgãos do governo do Estado. Ainda segundo o órgão, por enquanto, as medidas referentes a obras, contratações e realizações de eventos aguardam a votação dessa reforma. 

A obra da Central de Artesanato Mestre Dezinho está orçada em R$ 1.490.112,50. A reforma contempla todo o prédio, exceto as escolas de dança e música que já foram reformadas, e inclui restauração de toda estrutura, cobertura, impermeabilização, pavimentação e revestimento.

Compartilhar no
Por: Ananda Oliveira - Jornal O Dia

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário