6% dos presos liberados em Teresina durante a pandemia cometeram novo crimes

1.032 detentos foram liberados em Teresina devido o risco de contaminação pelo novo coronavírus

10/02/2021 17:11h

Compartilhar no

Um total de 6,5% dos presos liberados dos presídios por conta da pandemia do novo coronavírus cometeram novos crimes durante a prisão domiciliar, segundo dados divulgados nesta quarta-feira (10) pela Vara de Execuções Penais de Teresina (VEP).


Leia tambémNomeação de novo policiais penais é autorizada pelo governo do Piauí 


Desde o ano passado, devido ao risco de contaminação e a dificuldade de manter o isolamento social no sistema prisional, a Justiça concedeu prisão domiciliar excepcional e temporária a 1.032 detentos. De acordo com o levantamento contabilizado pela VEP, 69 deles cometeram novos crimes como homicídio, latrocínio ou estupro.

Foto: Divulgação / TJPI

Para o juiz titular da Vara, José de Freitas Filho, esse número mostra ‘o equívoco do pensamento, muito difundido, de que teria ocorrido aumento da criminalidade em virtude da decisão de colocação dos apenados do regime semiaberto em prisão domiciliar, em decorrência dos riscos da Covid 19’. 

Ele ressalta ainda que a medida de mandar os detentos para prisão domiciliar garantiu baixa quantidade de preso e servidores do sistema prisional contaminados pelo novo coronavírus lembrou que a polícia local foi informada e acompanhou o comportamento dos apenados. 

O juiz concluiu que ‘o comportamento correto de quase 93% dos liberados demonstra a sua possibilidade de reinserção social, abandonando a criminalidade e, também a confiança na Justiça Piauiense, de 2º e 1º Graus’. 

Compartilhar no

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário