“Se chover mais, o estrago será maior”, diz moradora que teve casa alagada

O volume de água registrado nas últimas 24 horas superou o esperado para este mês.

25/03/2019 13:52h - Atualizado em 25/03/2019 14:09h

Compartilhar no

“Não deu para dormir, era um olho aberto e outro fechado e todo mundo atento”, conta a dona de casa Adriana Silva, que teve parte da casa alagada devido às recentes chuvas que caíram na Capital piauiense. Assim como Adriana, outros moradores da zona Norte também tiveram as residências inundadas pela água. 

De acordo com a dona de casa, o medo é que as chuvas aumentem e o estrago seja maior. “A água chegou até a cozinha, nós corremos e mudamos os móveis de lugar. Não conseguimos dormir, estávamos em alerta. Se chover mais, o estrago será maior, a água vai entrar na casa toda e não quero nem imaginar essa possibilidade, pois não temos para onde ir”, conta Adriana, que mora com o marido e os três filhos. 


A dona de casa conta como a família se mobilizou para tirar os móveis da cozinha que ficou alagada durante as chuvas deste domingo (24). Foto: Assis Fernandes/ODIA

Diferente do caso de Adriana, a casa do autônomo Francisco da Silva alagou por completo. O volume da água já passa da altura do tornozelo. Emocionado, o patriarca da família pediu que a filha falasse por ele com a equipe d’O Dia. “Nós acordamos com o papai batendo na porta, ainda de madrugada, quando chegava do trabalho. Quando desci da cama, já foi com o pé na água. Estava tudo boiando. Salvamos a geladeira colocando-a em cima de tijolos”, narra a estudante Geovana Silva, filha de Francisco.

Segundo os moradores do bairro, há uma bomba na região responsável por puxar a água e jogá-la no rio. “Nós já fomos lá, já tentamos entrar em contato com a prefeitura e nos disseram que a bomba está com problemas. Enquanto isso, a água não escorre e a gente fica de mãos atadas, sem saber o que fazer”, lamenta a doméstica Elizangela Silva. 


Elizangela Silva teme o aumento das chuvas previsto para os próximos dias. Foto: Assis Fernandes/ODIA

Foram registrados vários pontos de alagamento em Teresina. A preocupação se dá devido ao fato do volume de água nesses últimos dias estarem acima do esperado para março inteiro. No total, já choveu 315 mm na Capital – cada milímetro equivale a um litro de água por metro quadrado.

Segundo o pluviômetro do Cemadem (Centro Nacional de Monitoramento de Desastres Naturais), a chuva de ontem (24) a noite somou o maior número registrado em 24 horas para este mês.

Outro lado

Para tentar amenizar os estragos da chuva na cidade, a Prefeitura de Teresina está iniciando uma ação denominada Rota da Chuva, que consiste em um mutirão para limpar bueiros e galerias e permitir que a água escoe melhor quando ocorrer temporais como o da noite passada. Este é um dos grandes problemas que a cidade enfrenta, de acordo com o gerente de planejamento urbano, Renato Lopes.

A equipe do Portal O Dia tentou contato com a Defesa Civil Municipal para falar sobre as zonas de risco e o caso dos moradores da zona Norte de Teresina, mas não obteve retorno até a publicação desta matéria. Contudo, o espaço continua aberto para um futuro posicionamento. 


Bairro Mafrense, zona Norte de Teresina. Foto: Assis Fernandes/ODIA

Compartilhar no
Edição: Ithyara Borges
Por: Geici Mello

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário