• show Legião Urbana
  • casa gourmet 2018
  • TV O DIA - fullbanner w3b
  • TV O Dia - fullbanner

Acelerador de partículas do país terá R$ 70 mi para 1ª volta de elétrons

A obra, que ao todo deve custar cerca de R$ 1,8 bilhão, deve permitir que o Brasil assuma posição internacional destacada nos estudos que dependem desse tipo de dispositivo.

21/09/2018 17:05h

O MCTIC (Ministérío da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações) liberará R$ 70 milhões para conclusão da primeira etapa da construção do Sirius, acelerador de partículas brasileiro que, em alguns aspectos, será o melhor do mundo.

A obra, que ao todo deve custar cerca de R$ 1,8 bilhão, deve permitir que o Brasil assuma posição internacional destacada nos estudos que dependem desse tipo de dispositivo, como os que envolvem a visualização em altíssima resolução de estruturas de vírus e proteínas (de olho em novas vacinas), de solo (com a ideia de aprimorar fertilizantes) e de rochas e de novos materiais (para melhorar a exploração de gás e petróleo), por exemplo.

Com a liberação recém-anunciada, será possível concluir a obra civil (são 68 mil m², tamanho similar ao de um estádio de futebol) e finalizar a montagem dos três aceleradores que compõem o Sirius. Com o aporte, serão R$ 134 milhões destinados ao projeto em 2018. O total já investido soma R$ 1,29 bilhão.

Trata-se de uma boa notícia em meio à estagnação e aos cortes que afetam a área da pesquisa científica no país. "Nada pode parar. Temos tido uma boa convivência com o Ministério do Planejamento. Nesses últimos anos, as deduções [do MCTIC] foram menores que as dos demais ministérios", disse à Folha de S.Paulo o ministro Gilberto Kassab.

Dessa forma, em novembro será possível que os elétrons acelerados pelo aparato deem sua primeira volta em dois dos três aceleradores do Sirius, provavelmente no dia 15, dia da Proclamação da República. "É como se estivéssemos testando as turbinas de um foguete", compara Antônio José Roque da Silva, diretor do projeto Sirius e diretor-geral do Cnpem (Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais), em Campinas, do qual o novo acelerador faz parte.

Depois disso, o projeto entrará em uma fase delicada: a criação de um vácuo próximo ao existente no espaço sideral dentro dos túneis percorridos pelos elétrons. Só aí o terceiro acelerador poderá entrar em ação. As partes do Sirius têm que ser ligadas e calibradas uma de cada vez. Sem isso, explica José Roque, há risco de danificação de componentes eletrônicos sensíveis e todo o potencial da construção, que tem precisão milimétrica inclusive no nível do solo, pode não ser explorado.

Só então entrará em operação a primeira linha de luz -estação experimental que utiliza radiação gerada pelo acelerador para conduzir experimentos das mais diversas áreas. Se tudo correr bem, as primeiras pesquisas poderão acontecer com alguma sorte no segundo semestre de 2019.

O projeto final, com 13 linhas de luz (a capacidade total é de 40), deve ficar pronto somente em 2020 e ainda depende da liberação de mais R$ 510 milhões. Para o ano de 2019, o governo colocou a previsão de R$ 270 milhões para o Sirius no projeto de lei de orçamentária anual. "Estamos confiantes que o Congresso vai entender a importância desse investimento para o país e aprovará a verba", diz José Roque.

"Já existem dezenas de projetos, de estrangeiros, inclusive, querendo usar a máquina. Experiências que nunca puderam ser feitas agora poderão acontecer no Brasil", afirma o físico Rogério Cezar de Cerqueira Leite, presidente do conselho de administração do Cnpem e um dos entusiastas do projeto. Ele foi um dos idealizadores do acelerador de segunda geração do Cnpem em operação desde 1997, o primeiro do hemisfério sul. O atual é de quarta geração.

"Além da versatilidade na análise de materiais biológicos, metais e outros materiais, um segundo efeito importante é na autoestima do brasileiro. Nós temos uma espécie de complexo de vira-lata. Isso vai mudar um pouco. Essa máquina, se bem usada, vai colocar os cientistas brasileiros em outro nível", diz Cerqueira Leite.

Manter a o fluxo de verbas é importante para garantir a permanência de pessoas altamente especializadas no projeto, explica José Roque.  "O risco que estávamos sofrendo não era somente o de atrasar em alguns meses a instalação e a montagem. Ao longo desses anos, desenvolvemos tecnologias que não existiam e formamos pessoas que têm muito valor para o mundo inteiro. A demora poderia significar a perda desses profissionais, que sofrem muito assédio de outras instituições."

Outro ponto importante, afirma o pesquisador, é a participação de empresas de pequeno, médio e grande porte na obra e na produção de componentes para o acelerador -80% dos componentes têm DNA nacional . "Elas se organizam na estrutura de RH e de logística para o fornecimento em um determinado prazo. Com cancelamentos de contratos ou diferenças de velocidade da obra, fica difícil saber se conseguiríamos nos reorganizar mais para frente. O descrédito pode comprometer o cronograma", diz.

Para Kassab, o papel da pesquisa é fundamental para o desenvolvimento econômico e social de qualquer país, não só do Brasil, e o país será colocado na fronteira do conhecimento com o novo acelerador.

"Meu sonho é que cada brasileiro venha conhecer o que é feito aqui, é algo transformador", diz José Roque.

Fonte: Folhapress

Deixe seu comentário






Enquete

Um jovem morreu ao sofrer descarga elétrica colocando celular para carregar. Quais cuidados você toma em relação a isso?

ver resultado