• Campanha Mobieduca
  • Teresina shopping
  • HEMOPI - Junho vermelho
  • ITNET
  • Novo app Jornal O Dia
  • TV O DIA att

Notícias Tecnologia

14 de março de 2019

Último lote do Abono Salarial ano-base 2017 será liberado hoje

Último lote do Abono Salarial ano-base 2017 será liberado hoje

Tem direito ao Abono Salarial ano-base 2017 quem estava inscrito no PIS/Pasep há pelo menos cinco anos, trabalhou formalmente por pelo menos 30 dias em 2017.

O último lote do Abono Salarial ano-base 2017 será liberado hoje (14). A data marca o início do pagamento do nono lote do benefício, destinado a trabalhadores da iniciativa privada nascidos em maio e junho e servidores públicos com final da inscrição 8 e 9. A estimativa do Ministério da Economia é que R$ 3,1 bilhões sejam destinados a 3,9 milhões de pessoas. O prazo final para o saque de todos aqueles que têm direito ao Abono 2017 é 28 de junho. Depois dessa data, o recurso volta para o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).

Beneficiários que são correntistas da Caixa Econômica Federal, responsável pelo pagamento do PIS (iniciativa privada), tiveram os valores depositados em suas contas na última terça-feira (12). A consulta pode ser feita pessoalmente, pela internet ou pelo telefone 0800-726 02 07. Para servidores públicos, a referência é o Banco do Brasil, que também fornece informações pessoalmente, pela internet ou pelo telefone 0800-729 00 01.

 
Foto: Reprodução/Agência Brasil

Tem direito ao Abono Salarial ano-base 2017 quem estava inscrito no PIS/Pasep há pelo menos cinco anos, trabalhou formalmente por pelo menos 30 dias em 2017, teve remuneração mensal média de até dois salários mínimos e seus dados foram informados corretamente pelo empregador na Relação Anual de Informações Sociais (Rais).

O valor a que cada trabalhador tem direito é proporcional ao tempo trabalhado formalmente em 2017. Quem esteve empregado por todo o ano recebe o equivalente a um salário mínimo (R$ 998). Aquele que esteve empregado por apenas 30 dias pode sacar o valor mínimo, que é de R$ 84 – o equivalente a 1/12 do salário mínimo –, e assim sucessivamente.

O Abono Salarial ano-base 2017 começou a ser pago em julho de 2018. O calendário de recebimento leva em consideração o mês de nascimento, para trabalhadores da iniciativa privada, e o número final da inscrição, para servidores públicos.

09 de março de 2019

Atriz de 'The Good Place' se revolta por usarem photoshop para clarear sua pele

Atriz de 'The Good Place' se revolta por usarem photoshop para clarear sua pele

Celebridade também reclamou da remoção de suas estrias e da diminuição do tamanho de seus braços.

A atriz Jameela Jamil utilizou a conta dela no Instagram para expor sua revolta e fazer críticas públicas a uma versão editada de uma foto dela que ela encontrou nas redes sociais. Na avaliação da celebridade de 33 anos, o registro passou por uso intenso de Photoshop com o propósito de clarear a pele dela.

“Fiquei chocada com excesso de edições dessa foto”, escreveu a celebridade na legenda do registro. “Me deixou péssima ao tentar ser essa pessoa ao vivo. Clareamento de pele é coisa do DIABO”, criticou a atriz da série ‘Good Place’.


Post da atriz nas redes sociais. Foto: Reprodução

A atriz também inseriu na imagem publicada por ela um aviso explicando: “Eu não sou assim, eles me clarearam pra valer. Onde estão as estrias nos meus peitos? Os meus braços não são finos assim. A minha pele é mais escura do que isso”.

“Esse clareamento é a razão das mulheres odiarem seus joelhos. Os meus joelhos parecem uma vagina e está tudo bem! Eles clarearam até os meus tornozelos. Imagine considerar que alguém acho que tem algum problema com os tornozelos”, finalizou.

Em outubro do ano passado, ao posar para um ensaio para a revista britânica Arcadia, Jamil pediu publicamente aos editores que não removessem com Photoshop as marcas de estrias em seus seios. Mais recentemente, ela causou polêmica ao fazer uma série de críticas públicas ao estilista Karl Lagerfeld (1933-2019), chamando-o de “misógino e gordofóbico” logo após o anúncio da morte dele.


A foto compartilhada pela atriz Jameela Jamil para seu ensaio na revista Arcadia (Foto: Twitter)

Caixa aumenta valor de imóveis financiados pelo Minha Casa Minha Vida

Caixa aumenta valor de imóveis financiados pelo Minha Casa Minha Vida

Mudanças valem para municípios de até 50 mil habitantes.

As famílias de baixa renda de cidades de até 50 mil habitantes terão acesso a mais financiamentos do Minha Casa Minha Vida (MCMV). O banco aumentou o valor de imóveis financiados para as faixas 2 e 3 do programa habitacional. Paralelamente, a instituição elevou o valor do subsídio para a faixa 2 em cidades de até 20 mil habitantes.

O teto de imóveis para as faixas 2 e 3 do MCMV foi ampliado. Para as cidades de 20 mil a 50 mil habitantes, o valor máximo do imóvel a ser financiado passou de R$ 110 mil para R$ 145 mil no Distrito Federal, no Rio de Janeiro e em São Paulo; de R$ 105 mil para R$ 140 mil no Sul, no Espírito Santo e em Minas Gerais; de R$ 105 mil para R$ 135 mil em Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul; e de R$ 100 mil para R$ 130 mil no Norte e no Nordeste.

Nas cidades com menos de 20 mil habitantes, o teto do financiamento passou de R$ 95 mil em todas as regiões para os mesmos valores (escalonados por regiões) dos municípios com até 50 mil moradores.


Foto: Reprodução

O banco também aumentou o valor do subsídio para financiamentos da faixa 2 em cidades de até 20 mil habitantes. O subsídio passou de R$ 10.545 para R$ 11,6 mil para os mutuários com renda familiar bruta de até R$ 1,8 mil.

Para as cidades de 20 mil a 50 mil habitantes, o valor do subsídio na faixa 2 não mudou, podendo chegar a R$ 29 mil, dependendo da região do imóvel. Os subsídios para a faixa 1,5 do Minha Casa Minha Vida também não sofreram alteração, com valor máximo de R$ 47,5 mil para famílias que ganhem até R$ 1,2 mil.

As novas regras foram publicadas hoje em instrução normativa do Ministério do Desenvolvimento Regional. Em nota, a Caixa Econômica Federal informou que as novas condições permitirão ao banco consumir todo o orçamento disponível para este ano no financiamento de moradias para a população de baixa renda.

“Com essas novas condições, a Caixa está com capacidade plena para atender a demanda por moradia no mercado imobiliário e aplicar todo o orçamento disponível para 2019, promovendo o aquecimento da economia, gerando empregos e rendas, além de contribuir para a redução do déficit habitacional do país”, destacou o banco no comunicado.

28 de fevereiro de 2019

Leilão do 5G deve ser feito até março de 2020, diz presidente da Anatel

Leilão do 5G deve ser feito até março de 2020, diz presidente da Anatel

Segundo a agência, quatro faixas serão colocadas à venda. Duas delas na faixa dos 3,5 GHz, as mais apropriadas para o 5G.

O leilão da frequência 5G no Brasil deve ser feito até março de 2020, segundo o presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Leonardo Morais.

"O edital deve ser lançado neste ano e a realização efetiva deve acontecer no primeiro trimestre do ano que vem", afirmou nesta quarta-feira (27).

Segundo Morais, quatro faixas serão colocadas à venda. Duas delas na faixa dos 3,5 GHz, as mais apropriadas para o 5G.

O presidente da Anatel disse também que esse não será um leilão arrecadatório. "Não trabalho com essa possibilidade. O [valor] que se gera com impostos depois é muito maior do que com aquele momento do leilão."

Morais fez a ressalva de que isso não significa que pretendem doar espectros.

Nesta semana, Morais participa do Mobile World Congress (MWC), principal evento de tecnologia móvel do mundo, em Barcelona. Com a declaração sobre o leilão não ser arrecadatório, ele vai ao encontro do que pedem as teles na feira.


Sede da Anatel (Foto: Divulgação)

Logo na abertura do MWC, o presidente da Telefónica, dona da Vivo no Brasil, criticou a abordagem de governos em relação à regulação de redes telefônicas para a adoção do 5G.

"Os governos estão usando o 5G para ganhar dinheiro a curto prazo em vez de impulsionar a transformação digital que a sociedade e a economia exigem", afirmou.

As empresas de telecomunicação têm no horizonte a possibilidade de estreitamento do faturamento nos próximos anos. A executiva-chefe da singapuriana Singtel, Chua Sock Koong, expressou a preocupação do setor com uma expectativa de diminuição do crescimento das teles de 5% ao ano para 1% em 2025.

A expectativa é que o 5G comece a chegar ao Brasil em 2021. A adoção em massa, no entanto, deve ser lenta devido a desafios técnicos –assim como no resto do mundo. Previsão da GSMA aponta uma adoção que começa a ser relevante em 2023.

14 de fevereiro de 2019

IBM e Fapesp vão investir US$ 10 mil com pesquisas de inteligência artificial

IBM e Fapesp vão investir US$ 10 mil com pesquisas de inteligência artificial

A Universidade selecionada será responsável por fornecer instalações físicas, laboratórios, professores, técnicos e administradores para gerir o centro.

A IBM e a Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) vão investir US$ 10 ,milhões (cerca de R$ 37,5 milhões) em um centro de pesquisas em inteligência artificial dentro de uma universidade a ser escolhida por meio de edital. Nele, serão desenvolvidas pesquisas em cinco áreas prioritárias: recursos naturais, agronegócio, ambiente, finanças e saúde.

O projeto terá duração de até 10 anos, durante os quais IBM e Fapesp vão injetar US$ 500 mil anuais. A Universidade selecionada será responsável por fornecer instalações físicas, laboratórios, professores, técnicos e administradores para gerir o centro. Ulisses Mello, diretor da IBM Research Brasil, diz que iniciativas como essa permitem à companhia produzir estudos em áreas nas quais estão as principais demandas do mercado brasileiro.

Ele explica que os investimentos serão feitos principalmente na contratação de especialistas. No centro, profissionais da IBM deverão atuar ao lado de professores e pesquisadores da universidade, diz. "Será um modelo de trabalho em conjunto, não vamos só colocar o dinheiro e esperar o resultado."

Segundo ele, o centro criado em parceria com a Fapesp irá produzir tanto pesquisa básica (para ampliar conhecimento sobre a área) como também aplicada (para o desenvolvimento de novas tecnologias). A IBM já conta com um centro de pesquisas em inteligência artificial no Brasil desde 2010.

O laboratório estuda aplicações da inteligência artificial em setores de destaque no mercado brasileiro, como agronegócio e extração de recursos naturais, além de trabalhar no aprimoramento do processamento da língua portuguesa por ela.

09 de fevereiro de 2019

Educação midiática forma cidadão consciente, dizem especialistas

Educação midiática forma cidadão consciente, dizem especialistas

Os novos currículos para o ensino básico estão em fase de elaboração pelos estados.

A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) do ensino básico incluiu entre as competências que o aluno deve ter a leitura crítica da informação que recebe por jornais, revistas, internet e redes sociais. Especialistas avaliam que foi um avanço a inclusão da educação midiática na BNCC, pois a escola poderá dar instrumentos para que o estudante possa se tornar um consumidor e produtor de conteúdo responsável.

No fim de 2017, o Ministério da Educação homologou a Base Nacional Comum Curricular do ensino infantil e fundamental e, no fim do ano passado, aprovou a BNCC do ensino médio. O documento estabelece o mínimo que deve ser ensinado em todas as escolas do país, públicas e particulares.

A partir da base, os estados, as redes públicas de ensino e as escolas privadas deverão elaborar os currículos que serão de fato implementados nas salas de aula. Os novos currículos para o ensino básico estão em fase de elaboração pelos estados.

Habilidade

A base prevê, por exemplo, que o aluno do sexto ao nono ano do ensino fundamental desenvolva a habilidade de leitura e produção de textos jornalísticos em diferentes fontes, veículos e mídias, a autonomia e pensamento crítico para se situar em relação a interesses e posicionamentos diversos, além de saber diferenciar liberdade de expressão de discursos de ódio.

“A questão da confiabilidade da informação, da proliferação de fake news [notícias falsas], da manipulação de fatos e opiniões tem destaque e muitas das habilidades se relacionam com a comparação e análise de notícias em diferentes fontes e mídias, com análise de sites e serviços checadores de notícias [...]”, diz um trecho do documento.


BNCC do ensino básico incluiu entre as competências que o aluno deve ter a leitura crítica da informação que recebe por jornais, revistas, internet e redes sociais - Arquivo/Tomaz Silva/Agência Brasil

Para os estudantes do ensino médio, as habilidades preveem a ampliação do repertório de escolhas de fontes de informação e opinião, a comparação de informações sobre um fato em diferentes mídias, além do uso de procedimentos de checagem de fatos e fotos publicados para combater a proliferação de notícias falsas.

A base também recomenda que os alunos possam atuar de maneira ética e crítica na produção e compartilhamento de comentários, textos noticiosos e de opinião e memes nas redes sociais ou em outros ambientes digitais.

Desafios

A presidente do Instituto Palavra Aberta, Patrícia Blanco, afirma que foi um significativo ganho colocar o tema da educação para a mídia na BNCC, pois significa que o campo jornalístico-midiático terá que ser abordado pelas escolas em âmbito nacional. No entanto, ela destacou que há ainda um longo trabalho pela frente para que a prática seja efetivamente adotada nos currículos.

“Nunca foi tão necessário, nesse ambiente de tecnologia, educar para a mídia, para o consumo de informação. Se a criança e o adolescente desenvolvem senso crítico, a escola está contribuindo para a formação de cidadãos que podem exercer melhor sua liberdade de expressão”, diz Patrícia.

“Educação midiática tem o papel de antídoto às fake news: você percebe que tem algo estranho, vai pesquisar outra fonte, e não simplesmente compra uma informação como verdade absoluta e a repassa para a frente”, acrescenta a especialista.

Segundo ela, são três os desafios atuais para a iniciativa chegar às salas de aula: disseminar o conceito da educação midiática, divulgando sua importância, formar os professores para que eles possam abordar o tema, e desenvolver a produção de conteúdos e materiais relevantes para serem usados na escola.

Alfabetização

O representante do Comitê Internacional da Aliança Global para Parcerias em Alfabetização de Mídia e Informação da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) na América Latina e Caribe, Alexandre Sayad, lembra que o tema está incluído entre as competências a serem abordadas na disciplina de língua portuguesa.

“O professor de língua portuguesa vai ter que colocar na sua aula. Mas nada impede outra disciplina abordar o tema. A questão da mídia é presente na vida das pessoas. Há uma tendência na educação, em geral, de se descompartimentalizar as disciplinas”, diz Sayad.

Segundo ele, atualmente há poucas escolas no Brasil que tratam do assunto em sala de aula. “Identificar a fonte de notícia é uma habilidade necessária no mundo hoje. É pela alfabetização midiática que você consegue separar o joio do trigo na mídia”.

06 de fevereiro de 2019

Aplicativos falsos de carteira de motorista e IPVA instalam vírus no celular

Aplicativos falsos de carteira de motorista e IPVA instalam vírus no celular

Os apps maliciosos são oferecidos ao público desde dezembro do ano passado e já infectaram mais de 17 mil smartphones.

Aplicativos que tentam se passar por CNH (Carteira Nacional de Habilitação) digital e outros que oferecem consulta ao IPVA 2019 são, na verdade, programas maliciosos que infectam os smartphones das vítimas. Eles são oferecidos na loja oficial da Google para celulares Android.

Os apps levam nomes como "CNH Digital", "Consulta IPVA" e "IPVA São Paulo", oferecidos por um suposto "Ministério da Tecnologia" -o Brasil nem tem uma pasta com esse nome, a real se chama Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações.

Até por volta das 20h desta terça-feira (5), todos estavam disponíveis na Google Play, loja oficial de aplicativos, jogos e conteúdos, para celulares Android. Eles foram retirados do ar após a reportagem perguntar à Google se eles seriam excluídos. Procurada, a Google não respondeu o que aconteceria com usuários que já haviam baixado o aplicativo.

De acordo com a Kaspersky Lab, empresa de cibersegurança que identificou o problema, os apps maliciosos são oferecidos ao público desde dezembro do ano passado e já infectaram mais de 17 mil smartphones. Ao serem instalados, esses aplicativos ativam um adware, programa malicioso que apresenta propagandas invasivas e indesejadas. Nesse caso em particular, elas são abertas ocupando toda a tela do celular.

Adwares também consomem internet e bateria do aparelho, e podem explorar dados pessoais. Tudo sem oferecer nenhuma utilidade prática ao usuário.


Apps falsos identificados na loja do Android. Foto: Reprodução

PROTEÇÃO

Para evitar cair nesse tipo de golpe, a dica é acessar os sites oficiais das empresas e órgãos públicos para encontrar a versão correta dos aplicativos desejados. Além disso, antivírus podem identificar essas ameaças e barrá-las antes que façam algum mal.

A versão oficial da CNH digital se chama "Carteira Digital de Trânsito". Ele traz a carteira de habilitação e o CRLV (Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo). O serviço é oferecido gratuitamente pelo Serpro (Serviço Federal de Processamento de Dados) para Android e iPhone nas respectivas lojas oficiais de aplicativos. No menu do app Carteira Digital de Trânsito é possível encontrar um tutorial com o passo a passo para obter a CNH digital -essa, livre de vírus.

No caso do IPVA de 2019 em São Paulo, Secretaria da Fazenda e Planejamento do estado informa que a consulta só é possível pelo site da pasta ou pela rede bancária autorizada. São necessários o Renavam e a placa do veículo. Os aplicativos oficiais do governo do Estado de São Paulo estão disponíveis no "SP Serviços".

Pesquisa mostra impactos no bem-estar de usuários ao deixar Facebook

Pesquisa mostra impactos no bem-estar de usuários ao deixar Facebook

Os autores também examinaram o acompanhamento de notícias e o engajamento político, incluindo a polarização das pessoas envolvidas.

Uma pesquisa de acadêmicos das universidades de Stanford e de Nova York, nos Estados Unidos (EUA), mostrou impactos positivos em pessoas que pararam de usar a rede social Facebook durante um período. O estudo verificou entre os entrevistados um aumento do “bem-estar”, melhoria na socialização offline, redução da polarização política e uma queda do tempo de presença na plataforma após o fim do levantamento.

O trabalho, que envolveu 2,8 mil pessoas residentes nos EUA, constatou que a interrupção reduziu o tempo em redes sociais, “liberando” em média uma hora por dia dos participantes. Eles relataram ter se dedicado a outras atividades, como assistir televisão e socializar com familiares e amigos.

Os autores também examinaram o acompanhamento de notícias e o engajamento político, incluindo a polarização das pessoas envolvidas. Esse último termo mostra a intensidade de discordância de pontos de vista, fenômeno indicado por outros estudos como um dos efeitos do uso de redes sociais diversas.


Foto: Divulgação/Facebook

Foi observada uma queda de 15% no tempo dedicado a notícias. As pessoas fora da rede social acompanharam menos questões de atualidade política e iniciativas de governantes, como do presidente Donald Trump. Os autores não conseguiram detectar impacto na participação política, como a decisão de não participar das eleições legislativas norte-americanas.

Contudo, o estudo verificou uma diminuição da polarização e exposição a mensagens com conteúdos de críticas fortes a determinadas visões políticas. Houve queda no índice formulado pelos autores. Contudo, eles alertam para o fato de que esse resultado não foi significativo e não pode ser generalizado como uma mudança de postura em relação a temas como o partido de preferência, por exemplo.

Bem-estar

Também foram analisados indicadores relacionados ao bem-estar das pessoas que participaram do estudo. “A desativação da rede social trouxe pequenas, mas significativas melhorias no bem-estar e, em particular, em registros de felicidade, satisfação de vida, depressão e ansiedade”, concluíram os acadêmicos. Na escala utilizada, esses impactos foram equivalentes a cerca de 25% a 40% de efeitos percebidos em intervenções psicológicas, como terapias individuais e em grupo.


Foto: Getty

Uso do Facebook

Outro ponto avaliado foi a continuidade do uso do Facebook pelos participantes. Eles relataram, em média, um tempo na plataforma 23% menor do que o dispendido pelas pessoas que não desativaram as contas e também foram acompanhadas no estudo. “Os participantes relataram que estavam passando menos o Facebook, tinham desinstalado o app de seu telefone e estavam fazendo um uso mais decidido da plataforma”, diz o texto.

Segundo os autores, essas respostas vão ao encontro da percepção de impactos positivos na vida dos usuários, ao encerrar ou reduzir o engajamento na rede social. “A desativação fez com que as pessoas apreciassem mais o Facebook, tanto em seus impactos positivos quanto negativos em sua vida”, destaca a pesquisa.

Procedimentos

O levantamento avaliou 2,8 mil usuários da rede social e convidou-os a interromper o uso durante um mês, especificamente na reta final das eleições legislativas promovidas no ano passado nos Estados Unidos. Foram avaliadas tanto pessoas que desativaram seus perfis quanto aquelas que não o fizeram, técnica chamada em pesquisas de “grupos de controle”.

02 de fevereiro de 2019

Especialista dá dicas de segurança para o uso de aplicativos

Especialista dá dicas de segurança para o uso de aplicativos

Cuidados ajudam a evitar que os usuários se exponham demais ou acabem sendo vítimas de golpes


Nunca forneça informações pessoais, como número do CPF, cartão de crédito ou informações bancárias (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)

É difícil se manter reticente às muitas facilidades ofertadas pelo uso da internet e das redes sociais. Utilizar as plataformas para conhecer novas pessoas é, sim, uma chance de ampliar as possibilidades de vida, mas também é necessária certa dose de atenção e cuidados para se prevenir de uma exposição exagerada ou golpes.

Segundo Lucas Marques, co-fundador do Teresina Hacker Club, recentemente, descobriu-se vulnerabilidades no aplicativo Tinder, onde algumas informações como nome, idade, sexo, e-mails, número de telefone e até localização do GPS dos usuários estavam expostas quando o aplicativo era acessado em redes públicas. “Isso acontecia porque o Tinder utilizava algumas aplicações de terceiros, chamadas SDKs, que manipulavam essas informações em transmissões sem criptografia, o que permitia a interceptação desses dados”, revela.

Lucas ainda lembra o fato das redes sociais serem um local em que pessoas mal intencionadas podem se utilizar para fins outros. Por isso, a atenção deve ser redobrada. “É altamente recomendado que os usuários deste tipo de plataforma nunca forneçam informações pessoais, como número de CPF, número de cartão de crédito ou informações bancárias, endereço de trabalho ou residencial para desconhecidos. E, claro, denunciar perfis que fazem isso”, destaca.

Em caso de necessidade de sair das plataformas, o usuário terá duas opções, a desativação da conta ou a ação de excluir todo o registro feito. “Ao desativar, os dados ainda existirão e serão mantidos pela empresa, mantendo o perfil do usuário apenas oculto para a rede. Quando o usuário exclui a conta, os dados são de fato excluídos, mas por motivos de disponibilidade da infraestrutura da rede, pode levar até 90 dias para que essas informações sejam completamente eliminadas dos servidores”, explica o especialista.

Para Lucas, com o surgimento de periféricos cada vez mais discretos e multifuncionais, além do fator comodidade e praticidade, o uso dessas tecnologias, principalmente para relacionamentos, será mais intensificado em um mundo cada vez mais corrido e conectado.



25 de janeiro de 2019

Zuckerberg afirma que Facebook não vende dados pessoais dos usuários

Zuckerberg afirma que Facebook não vende dados pessoais dos usuários

O bilionário americano afirmou que o Facebook armazena os dados de seus usuários para melhorar sua experiência.

O cofundador e presidente do Facebook, Mark Zuckerberg, voltou a repetir, nesta quinta-feira, que a rede social não vende dados pessoais de seus usuários, em mais uma tentativa de rebater as críticas cada vez mais recorrentes sobre a empresa. “Nos últimos tempos surgiram muitas perguntas obre nosso modelo econômico, por isso quero esclarecer a forma como funcionamos”, escreveu Zuckerberg em um artigo publicado por jornais como o americano Wall Street Journal ou o francês Le Monde.

“Se nos comprometemos a servir a todos, então precisamos de um serviço que seja acessível para todos. A melhor forma de fazer isto é oferecer um serviço gratuito, e isto é o que a publicidade nos permite fazer”, completou.

O bilionário americano afirmou que o Facebook armazena os dados de seus usuários para melhorar sua experiência. “As pessoas nos dizem que se devem ver anúncios, estes devem ser pertinentes para eles”. Mas isto não significa que a empresa vende os dados de seus usuários, destacou, em resposta a uma das críticas mais frequentes contra o Facebook, sobretudo desde o escândalo Cambridge Analytica, um caso de troca de informações pessoas sem o conhecimento dos usuários e com fins políticos.


Mark Zuckerbeg, cofundador do Facebook. Foto: Reprodução

O Facebook não proporciona diretamente os dados aos anunciantes ou demais companhias, e sim cobra para permitir o acesso destas empresas aos usuários, classificados graças às informações que fornecem à rede social. A rede cria categorias com os dados, como por exemplo “pessoas que gostam de jardinagem e vivem na Espanha”, a partir das páginas que elas curtem ou dos conteúdos nos quais elas clicam”.

O empresário de 34 anos respondeu a outra crítica recorrente: “Nos perguntam se deixamos conteúdos nocivos ou de conflito em nosso serviço, com o objetivo gerar mais tráfego”, o que pode contribuir para difundir conteúdos ofensivos ou notícias falsas. “A resposta é não”, afirmou.

Zuckerberg destacou que a rede social não tem interesse em abrigar este tipo de conteúdo porque não agrada os usuários e, portanto, tampouco os anunciantes. As polêmicas abalaram a empresa e custaram um preço elevado, já que a rede social teve que gastar bilhões de dólares para melhorar sua imagem

23 de janeiro de 2019

Especialistas veem com cautela limite de mensagens no WhatsApp

Especialistas veem com cautela limite de mensagens no WhatsApp

Limitação será para até cinco grupos de conversa.

O WhatsApp anunciou a limitação do encaminhamento de mensagens para até cinco grupos de conversa (chats). Segundo a empresa, tal medida teve como objetivo reforçar o caráter da plataforma como espaço de trocas de mensagens privadas. A decisão foi uma reação para lidar com o que a companhia chamou de “questão do conteúdo viral”, ou seja, a difusão massiva de informações por pessoas e grupos.

“O WhatsApp avaliou com cuidado essa teste [de limite de encaminhamento] e ouviu o feedback dos usuários durante o período de seis meses. O limite de encaminhamento reduziu significantemente o encaminhamento de mensagens no mundo todo. Começando hoje, todos os usuários da última versão do WhatsApp podem encaminhar apenas cinco mensagens por vez, o que vai ajudar a manter o WhatsApp focado em mensagens privadas com contatos próximos”, informou a empresa por meio de nota ontem (21).

O aplicativo entrou na mira de questionamentos em vários locais do mundo como espaço de disseminação de desinformação, conteúdos também chamados popularmente de “fake news” (no termo utilizado na língua inglesa). Na Índia, mensagens falsas reproduzidas em massa foram identificadas como fatores de estímulo a linchamentos de pessoas no ano passado. Em razão desse caso, o WhatsApp instituiu no país no ano passado este limite de cinco destinatários como um teste.

Eficácia

Foto: Reprodução

Para especialistas ouvidos pela Agência Brasil, a medida pode ajudar a conter a circulação de conteúdos enganosos, mas ainda é preciso avaliar se terá eficácia na prática para impactar a quantidade de desinformação enviada. Na opinião do coordenador de Tecnologia e Democracia do Instituto de Tecnologia e Sociedade do Rio de Janeiro (ITS Rio), Marco Konopacki, não há clareza se o novo limite vai conter de fato as chamadas "fake news".

“Existem diferentes grupos com distintos interesses utilizando o WhatsApp para fins escusos, não simplesmente para distribuição de notícias falsas, mas aplicando poder computacional intensivo, com recursos de automatização e semi-automatização. Essas fontes automatizadas não se sujeitam a isso [os limites de encaminhamentos], pois têm base de números e enviam por meio delas”, explicou.

A diretora da agência de checagem de fatos Lupa, Cristina Tardáguila, também vê com cautela os impactos da decisão. “A gente precisa acompanhar. Vamos ver como vai ser a implementação. Observar se será mesmo o Brasil ao mesmo tempo, todos os telefones ao mesmo tempo ou alguma coisa escalonada para ver se não teremos algum tipo de desequilíbrio”, disse.

Mensagens privadas x difusão

Tardáguila foi uma das especialistas que defendeu medida nesse sentido durante as eleições, juntamente com outros professores. Para a diretora da Lupa, o debate de fundo é o uso do WhatsApp, uma plataforma inicialmente de mensagens privadas, para a difusão de conteúdos em massa. Outra mudança para reduzir essa condição de circulação em larga escala, acrescenta a diretora, seria a diminuição também das listas de transmissão, recurso que permite ao usuário enviar uma mensagem para 256 contatos de uma vez.

“Você tem a possibilidade de encaminhar uma mensagem para 256 pessoas, que podem também enviar para 256 e assim sucessivamente, tendo um sistema piramidal enorme. Isso precisa ser reavaliado. Quem é que precisa disparar mensagens para 256 destinatários?”, questiona. Ela acrescenta que o número de pessoas em grupos, hoje 256, também deveria ser limitado.

Fiscalização x criptografia

Segundo Cristina Tardáguila, o uso do WhatsApp para promoção de desinformação levanta questionamentos sobre como a proteção das mensagens pela criptografia, um dos recursos da plataforma, contribuiria para o fenômeno. “Não tenho opinião formada sobre isso. Mas criptografia é algo para poucas pessoas guardarem. No momento que você faz um broadcasting você está contando para muitas pessoas. Talvez ele possa não ser criptografado”, cogita.

O diretor do instituto de pesquisa Internet Lab, Francisco Brito Cruz, também avalia que a medida do WhatsApp tem como pano de fundo a tentativa da plataforma se afirmar como espaço de mensagens privadas frente ao uso para difusão massiva, especialmente de informações falsas. Ele acredita que a redução dos destinatários pode “estrangular um pouco o fluxo”, mas que é preciso ver como será a eficácia na prática. O pesquisador considera, no entanto, que, a despeito da circulação de conteúdos enganosos, o recurso da criptografia não deveria ser flexibilizado.

“Quebrar criptografia pode trazer vulnerabilidade para as pessoas e deixar a plataforma mais insegura para todo mundo, o que cria risco de ser aproveitado para práticas de vigilância. Ela [a criptografia] não tem que ser vista como empecilho, mas como escolha que é importante e que a gente não pode jogar fora o ‘bebê com a água do banho’. Talvez uma das coisas mais importantes do WhatsApp seja a criptografia sob a perspectiva de segurança, de privacidade”, defende.

20 de janeiro de 2019

Brasil e Europa vão ser interligados por novo cabo submarino

Novo cabo dará impulso à transmissão de dados para o exterior

O Brasil e a Europa vão ser interligados por um novo cabo submarino de fibra ótica com capacidade de 40 terabytes (TB) por segundo, o que vai facilitar as comunicações telefônicas e de imagens entre diferentes pontos do território brasileiro e o continente europeu.

A informação é do ministro-conselheiro para o mercado digital da representação da União Europeia no Brasil, Carlos Oliveira. Segundo ele, a União Europeia já disponibilizou US$ 30 milhões para o início da implantação do projeto.Porém, de acordo com o ministro-conselheiro o volume total a ser aplicado no cabo submarino ainda não está calculado porque depende de um detalhamento que vem sendo analisado por um consórcio de empresas, que inclui a brasileira Telebras. Ao final, um consórcio internacional de bancos vai financiar toda a operação.

Carlos Oliveira: União Europeia disponibilizou US$ 30 milhões para implantação do projeto(Foto:Divulgação/União Europeia)

Atualmente o Brasil tem um cabo submarino que liga o território brasileiro à Europa, denominado Atlantis 2. Porém, esse cabo tem uma capacidade de apenas 20 gigabytes, muito distante de atender ao gigantesco desenvolvimento de transmissão de dados nos últimos anos, sobretudo com o avanço da tecnologia de vídeos e imagens.

Em decorrência da deficiência nas comunicações com a Europa, o Brasil é obrigado atualmente a utilizar os cabos submarinos que ligam o território brasileiro aos Estados Unidos para transmitir dados (voz e imagem) internacionais e de lá é que esses dados são retransmitidos para outras partes do mundo, inclusive a Europa.

Os Estados Unidos hoje são um hub, ou seja, um centro armazenador e distribuir de dados brasileiros. De acordo com especialistas, o novo cabo submarino proporcionará praticidade e redução de custos para a transmissão de dados do Brasil para o continente europeu.

15 de janeiro de 2019

Hit do verão 'Jenifer' alavanca buscas pelo aplicativo Tinder

Lançada em setembro, a faixa surgiu de uma brincadeira de amigos e foi composta por um coletivo de oito pessoas que dividia uma casa em Goiânia, o Big Jhows.

"O nome dela é Jenifer/ Eu encontrei ela no Tinder", diz o refrão do novo hit do verão, "Jenifer", do cantor de forró Gabriel Diniz. A faixa é a mais ouvida no Brasil, com mais de 21 milhões de reproduções no Spotify e 94 milhões no YouTube.

Na vida real, é mais provável encontrar história parecida em São Paulo. Segundo um ranking divulgado pelo aplicativo de encontros nesta terça (15), a cidade é recordista no número de usuárias com o nome Jenifer, seguida do Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte e Curitiba.

Clipe tem a atriz Mariana Xavier. (Foto: Divulgação)

Lançada em setembro, a faixa surgiu de uma brincadeira de amigos e foi composta por um coletivo de oito pessoas que dividia uma casa em Goiânia, o Big Jhows. 

Segundo contam, os amigos lanchavam quando uma garota chegou e abraçou um deles. Ao ser questionado se ela era sua namorada, o rapaz respondeu que não, que a havia conhecido no Tinder. Seria a inspiração para Jenifer.

A faixa chegou a ser comprada pelo cantor sertanejo Gusttavo Lima, que desistiu de gravá-la por não ser "de família", e vendeu os direitos a Diniz. Depois de estourado, o hit ganhou versão em eletrônica por Alok, clipe com a atriz Mariana Xavier e até paródia em alemão.

O sucesso impactou também no interesse pela empresa citada no refrão. "O Tinder está adorando o entusiasmo dos brasileiros com a música 'Jenifer'", disse a empresa, que não divulga dados relacionados ao crescimento de número de usuários ou hábitos dentro do aplicativo.

Dados do Google Trends mostraram que as buscas por Tinder dobraram na última semana, quando a faixa desbancou "Atrasadinha", de Felipe Araújo e Ferrugem, na liderança das paradas musicais do Spotify e do YouTube.

Nos últimos 30 dias, o interesse pela marca foi maior em Santa Catarina, Espírito Santo, Rondônia, Rio Grande do Sul e Piauí, respectivamente. A ferramenta do Google não disponibiliza os números exatos, apenas o ranking.

07 de janeiro de 2019

Mídias sociais elevam depressão entre meninas, diz pesquisa

Cerca de três quartos das garotas de 14 anos que sofrem de depressão também têm baixa autoestima, estão insatisfeitas com sua aparência e dormem sete horas ou menos por noite.

Meninas adolescentes são duas vezes mais propensas que os meninos a apresentar sintomas de depressão em conexão ao uso das redes sociais, segundo estudo do University College London (UCL) divulgado em Londres. Ativistas pediram ao governo britânico que reconheça o risco de páginas como Facebook, Twitter e Instagram para a saúde mental dos jovens.

Uma em cada quatro meninas analisadas apresentou sinais clinicamente relevantes de depressão, enquanto o mesmo ocorreu com apenas 11% dos garotos, segundo o estudo. Os pesquisadores constaram que a taxa de depressão mais elevada é devido ao assédio online, ao sono precário e a baixa autoestima, acentuada pelo tempo nas mídias sociais.

O estudo analisou dados de quase 11 mil jovens no Reino Unido. Os pesquisadores descobriram que garotas de 14 anos representam o agrupamento de usuários mais incisivos das mídias sociais – dois quintos delas as usam por mais de três horas diárias, em comparação com um quinto dos garotos.

Cerca de três quartos das garotas de 14 anos que sofrem de depressão também têm baixa autoestima, estão insatisfeitas com sua aparência e dormem sete horas ou menos por noite. "Aparentemente, as meninas enfrentam mais obstáculos com esses aspectos de suas vidas do que os meninos, em alguns casos consideravelmente", disse a professora do Instituto de Epidemiologia e Cuidados da Saúde do University College London, Yvonne Kelly, que liderou a equipe responsável pela pesquisa.


Foto: Reprodução

Depressão

O estudo também mostrou que 12% dos usuários considerados moderados e 38% dos que fazem uso intenso de mídias sociais (mais de cinco horas por dia) mostraram sinais de depressão mais grave.

Quando os pesquisadores analisaram os processos subjacentes que poderiam estar ligados ao uso de mídias sociais e depressão, eles descobriram que 40% das meninas e 25% dos meninos tinham experiência de assédio online ou cyberbullying.

Os resultados renovaram as preocupações com as evidências de que muito mais meninas e mulheres jovens apresentam uma série de problemas de saúde mental em comparação com meninos e homens jovens, e sobre os danos que os baixos índices de autoestima podem causar, incluindo autoflagelação e pensamentos suicidas.

Os pesquisadores pedem aos pais e responsáveis políticos que deem a devida importância aos resultados do estudo. "Essas descobertas são altamente relevantes para a política atual de desenvolvimento em diretrizes para o uso seguro das mídias sociais. A indústria tem que regular de forma mais rigorosa as horas de uso das mídias sociais para os jovens", diz Kelly.

Uso excessivo das mídias sociais

A ministra adjunta para Saúde Mental e Cuidados Sociais, Barbara Keeley, afirmou que "esse novo relatório aumenta as evidências que mostram o efeito tóxico que o uso excessivo das mídias sociais tem na saúde mental de mulheres jovens e meninas [...] e que as empresas devem assumir a responsabilidade pelo que ocorre em suas plataformas".

Tom Madders, diretor de campanhas da instituição beneficente YoungMinds, diz que, embora sejam uma parte da vida cotidiana da maioria dos jovens e tragam benefícios, as redes sociais proporcionam uma "pressão maior" porque estão sempre disponíveis e fazem com que os jovens comparem "as vidas perfeitas de outros" com a sua própria.

04 de janeiro de 2019

Braille: especialistas dizem que há avanços, mas ainda muito trabalho

O braille é composto por 63 sinais, gravados em relevo. Esses sinais são combinados em duas filas verticais, com 3 pontos cada uma. A leitura se faz da esquerda para a direita.

Aos 7 anos de idade, Alceu Kuhn aprendeu a ler com a ponta dos dedos. Desde então, não se distanciou mais do sistema braille, que ele descreve como “a forma pela qual o cego consegue tocar as palavras”. Passaram pelas suas mãos, ainda criança, obras como O Pequeno Príncipe, de Antoine de Saint-Exupéry, O Guarani, de José de Alencar, e Robinson Crusoé, de Daniel Defoe. Atualmente, Kuhn é revisor braille e luta para que o sistema de escrita e leitura chegue a mais pessoas.

Hoje (4), no Dia Mundial do Braille, Kuhn diz que há avanços a serem comemorados, mas ainda muito trabalho pela frente. Ele é um dos diretores da Organização Nacional de Cegos do Brasil (ONCB) e representante da organização na Comissão Brasileira do Braille. A comissão foi instituída pelo Ministério da Educação (MEC) para desenvolver uma política de diretrizes e normas para o uso, o ensino, a produção e a difusão do sistema braille em todas as suas modalidades de aplicação.

“Eu fico muito feliz de ter tido essa oportunidade [de aprender a ler]. Infelizmente, muitos cegos não têm acesso ao braille por algumas razões. Não é porque não estejam na escola, mas  porque os próprios professores não sabem o braille e, como consequência, não vão oferecê-lo”.

Além disso, há pouca disponibilidade de livros transcritos. Segundo a União Mundial de Cegos - que representa aproximadamente 253 milhões de pessoas com deficiência visual de organizações em mais de 190 países -, cerca de 5% das obras literárias no mundo são transcritas para braille. Isso nos países desenvolvidos. Nos países mais pobres, essa porcentagem é 1%.


Foto: Arquivo/Agência Brasil

A estimativa de Kuhn é que o Brasil não alcance nem mesmo esse 1%. “Hoje, a transcrição que acontece no Brasil é predominantemente de livros didáticos. A literatura é muito carente de braille”, diz. Isso se deve, de acordo com ele, em parte devido ao custo da transcrição, uma vez que uma impressora braille custa de R$ 30 mil a R$ 200 mil e é necessário um trabalho cuidadoso de formatação. “E outro fator que pode aumentar a produção é o próprio cego demonstrar interesse no braille, buscar mais. Assim, autoridades se sentiriam mais cobradas”.

Nas escolas

Neste ano, as escolas públicas de 1º ao 5º ano do ensino fundamental receberão pela primeira vez livros em tinta braille, ou seja, estarão transcritos tanto em braille quanto em tinta, facilitando que pais, responsáveis e até mesmo professores que não dominam o sistema possam ler. É também a primeira vez que esses livros serão distribuídos junto com os demais, no início do ano.

De acordo com a ONCB, antes, os professores recebiam os livros em tinta e selecionavam os que seriam transcritos em braille. Isso atrasava a entrega desses livros. Além disso, estudantes cegos ficavam meses sem ter o material didático. A expectativa é que livros em braille entrem nos próximos editais lançados pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) para atender com mais celeridade também os estudantes do 6º ao 9º ano e do ensino médio.

“Seria ótimo se todos os alunos pudessem ter todos os livros em braille”, diz a coordenadora de Revisão da Fundação Dorina Nowill para Cegos e do Conselho Ibero-Americano de Braille, Regina Oliveira. No aprendizado, sobretudo a partir do 6º ano, de acordo com Regina, os estudantes acabam valendo-se da tecnologia, de áudios. Quando se trata de disciplinas exatas, com muitos símbolos, no entanto, o livro braille faz falta. “É necessário que tenham livros de matemática, de geografia, para ter contato com a simbologia específica, para aprenderem a ler mapas, gráficos”.

“O braille é importante para pessoas cegas, para a alfabetização, dá independência, autonomia, no consumo de cosméticos, de alimentos. Autonomia para poder entrar em um elevador com segurança, receber contas, extratos bancários ou faturas de cartão de crédito. Tem aplicação na vida das pessoas cegas em todos os momentos”, diz Regina.

Sistema Braille

O braille é composto por 63 sinais, gravados em relevo. Esses sinais são combinados em duas filas verticais, com 3 pontos cada uma. A leitura se faz da esquerda para a direita. O sistema braille se adapta à leitura tátil, pois os pontos em relevo devem obedecer medidas padrão, e a dimensão da cela braille deve corresponder à unidade de percepção da ponta dos dedos.

A data de hoje foi escolhida por ser o aniversário do criador do sistema, Louis Braille, que nasceu em 1809 na França. Ele ficou cego em 1812, aos três anos, após se acidentar na oficina do pai. Para desenvolver um sistema de leitura e escrita para pessoas cegas, ele usou como base o sistema de Barbier, utilizado para a comunicação noturna entre os soldados do Exército francês.

Segundo o último censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), existem no Brasil mais de 6,5 milhões de pessoas com deficiência visual, sendo 582 mil cegas e 6 milhões com baixa visão.