• Banner boticário Malbec Magnetic
  • TV O DIA - fullbanner w3b
  • TV O Dia - fullbanner

Brinquedos fora da faixa etária indicada representam risco às crianças

A ingestão de peças, por exemplo, pode provocar engasgo e sufocamento. Imepi dá dicas de como se precaver na hora das compras.

10/10/2018 08:41h

O Dia das Crianças está chegando e é necessário que os pais estejam atentos à qualidade e às especificações dos brinquedos que eles adquirem para os filhos. Segundo o Instituto Metrologia do Piauí (Imepi), ainda falta esse cuidado em muitos casos, especialmente no que diz respeito a denúncias. “Os pais deveriam ser os principais fiscais. E ele tem que ser [já que] são duas equipes [do Imepi] para abranger todo o Piauí”, afirma Ricardo Mascarenhas, coordenador de qualidade do Imepi. 

Segundo o coordenador, um dos principais cuidados ao adquirir um brinquedo é com a possibilidade de ingestão de peças que provocam engasgo, já que as crianças possuem o hábito de levar objetos à boca. Além disso, é perigoso que elas introduzam o brinquedo no nariz e ouvidos. Ricardo conta que já chegou a passar “um perrengue”, ele mesmo, com a filha quando era criança, justamente porque ela estava com um brinquedo que não era indicado para a idade dela, já que pertencia ao irmão mais velho.

“Na época, minha filha tinha um ano e meu filho seis anos. Nós compramos um brinquedo para a idade dele. Ela pegou esse brinquedo e colocou no nariz. Foi parar no hospital. Pense em um desespero [já que a criança estava sufocando]. Os pais que já passaram por isso sabem o perrengue que é. Se você tem faixas etárias diferenciadas em casa, a atenção deve ser muito grande”, esclarece.

Foto: Elias Fontenele/O DIA

Segundo Ricardo, existe tanto a falta de informação dos pais quanto acomodação para denunciar irregularidades. “Se todos os pais tivessem essa preocupação de, além de denunciar um produto irregular, deixar de comprar, isso ajudaria o nosso trabalho”, argumenta.

O Imepi é um órgão delegado do Inmetro e, portanto, responde à instituição federal. As normas são as mesmas e os produtos certificados no Piauí valem para todo o país. Em caso de irregularidades, o consumidor deve entrar em contato com o Imepi, que enviará a fiscalização. O metrologista pode apreender a amostra ou estoque do brinquedo. 

O que observar?

Na hora de comprar um brinquedo, a primeira coisa que se deve observar, e que é fundamental, é a certificação do produto pelo Inmetro. A não obediência a esse requisito é um dos principais motivos para o confisco de brinquedos em lojas do Piauí, segundo afirma Ricardo Mascarenhas. “O certificado dá garantia de que esses brinquedos, quando estiverem com as crianças, não serão quebrados facilmente e não contenham substâncias tóxicas”, esclarece. 

A faixa etária indicada no brinquedo ou jogo é outro requisito importante ao adquirir o produto. “De repente, você pega um brinquedo que não é adequado para a faixa etária do seu filho [e isso pode gerar problemas]. Se é um brinquedo que pode soltar alguma peça, deve ser enquadrado na faixa etária específica”, diz.

A fabricação do brinquedo deve ser regida pelas normas do mercado brasileiro, como texto e instruções em português, código de barras, entre outros.

Por: Ananda Oliveira e Virgiane Passos

Deixe seu comentário






Enquete

Um jovem morreu ao sofrer descarga elétrica colocando celular para carregar. Quais cuidados você toma em relação a isso?

ver resultado