Teresa Britto critica redução do orçamento da saúde de Teresina, “vai virar um caos”

A saúde da capital enfrenta problemas sérios de atraso na marcação de consultas e filas para pacientes que buscam tratamento de câncer

26/11/2021 11:25h - Atualizado em 26/11/2021 11:41h

Compartilhar no

A deputada estadual Teresa Britto (PV) fez criticas contundentes a grave crise enfrentada na saúde de Teresina. Com uma previsão de redução no percentual de repasse para o setor em 2022,  e a não renovação do contrato com o Hospital São Marcos , a saúde da capital enfrenta problemas sérios de atraso na marcação de consultas e filas para pacientes que buscam tratamento de câncer na rede de saúde.

Como o Portal Odia informou, em 2022 Teresina terá o menor percentual de repasse da saúde nos últimos anos . A queda se dá em função do novo orçamento privilegiar pastas políticos em detrimento de áreas cruciais como saúde e assistência social. Para Teresa Britto, que é profissional de saúde e já dirigiu hospitais da rede pública da capital, a situação é gravíssima e a saúde de Teresina pode entrar em colapso. “Essa redução no orçamento da saúde é complicado, não vai funcionar. Se houver essa redução não vai funcionar, vai virar um caos com certeza a saúde de Teresina”, afirmou a deputada.


Leia Mais
Dr. Pessoa não fecha acordo e São Marcos reduz em 40% atendimentos de pessoas com câncer 
Alepi pede informações da Prefeitura de Teresina sobre repasses para o São Marcos 
Dr. Pessoa barra repasse de R$8 milhões para tratamento oncológico 
Dr. Pessoa corta quase R$ 50 milhões da saúde no orçamento de 2022 

Teresa ainda criticou a demora na marcação de consultas e falta de repasses para o Hospital São Marcos. O centro de saúde é responsável por quase todos os atendimentos de pacientes com câncer no estado e teve que reduzir os atendimentos com a queda no repasse da gestão de Dr. Pessoa .  Para a deputada um triste quadro. “Essa questão de atraso na marcação de consultas acontece essa prática em toda a Teresina, não só no hospital São Marcos, mas também nas unidades básicas de saúde. As pessoas saem de casa de madrugada para tentar marcar uma consulta nas UBS’s. O São Marcos é o único que atende pessoas diagnosticadas com câncer, precisa que a FMS repasse mais recursos e que o governo do estado pague a sua compensação”, concluiu Teresa Britto.

A Fundação Municipal de Saúde foi consultada, porém até a publicação da matéria não havia se pronunciado. O Portal ODia está a disposição para esclarecimentos. 

FOTO: Thiago Amaral/Ascom Alepi

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário