• Campanha da Santa Missa
  • Vencer 03
  • Vencer 02
  • Vencer 01
  • Prerrogativas da advogacia
  • Peregrinos da fé
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

Temor causado pelo coronavírus já interfere rotina da política

A Alepi já revogou a realização de sessões solenes e audiências públicas.

17/03/2020 10:27h

Assim como em outros estados da federação, o risco de contaminação e transmissão do novo coronavírus (COVID-19) também tem repercutido e impactado a rotina da política piauiense, onde vários órgãos e instituições públicas estão tomando uma série de medidas, inclusive com a paralisação de suas atividades, temendo a proliferação da doença. 

A Assembleia Legislativa do Piauí (Alepi), por exemplo, já revogou a realização de sessões solenes e audiências públicas, discute a elaboração de um ato institucional estabelecendo novas regras de funcionamento do parlamento. “Vamos tomar outras medidas, observando as que já foram tomadas por outras Assembleias do país (...) inicialmente as sessões plenárias estão mantidas, porém, o número de pessoas que vão entrar em plenário será reduzido”, disse o deputado Themístocles Filho (MDB), presidente da Casa.

Mesmo sem casos confirmados na cidade, a Câmara Municipal de Teresina (CMT) deve convocar sua comissão parlamentar de Saúde nesta terça (17) para discutir o assunto. Não é descartada a suspensão das sessões. “Iremos nos reunir para analisar o cenário para tomar as medidas necessárias”, informou o vereador Jeová Alencar (PSDB), chefe do legislativo municipal. 

Situação semelhante ocorre no debate político nas casas legislativas federais, onde várias precauções estão sendo tomadas para evitar a proliferação da doença. Segundo o deputado Átila Lira, coordenador da bancada federal piauiense em Brasília, afirma que a rotina no Congresso Nacional mudou por conta do COVID-19.

“As audiências públicas não estão sendo realizadas. As reuniões com mais de 100 pessoas também não e agora há uma normativa para que parlamentares, na faixa de risco com mais de 65 anos, não precisam comparecer pois estão sujeitos a contrair a doença”, explica o parlamentar, que teme a interferência disso na discussão e aprovação de alguns projetos na Câmara e no Senado.

Além da política institucional, as precauções por conta da nova doença também vem afetando a agenda dos partidos, em plena pré-campanha eleitoral. O PSDB, que anunciaria seu pré-candidato à prefeitura da capital piauiense hoje, remarcou para a próxima semana (23), em uma coletiva de imprensa. Outras agremiações tem tomada postura semelhante aos tucanos.

Edição: João Magalhães
Por: Breno Cavalcante

Deixe seu comentário