Temer ignora votos contrários do PSDB e defende paz com tucanos

Presidente tenta neutralizar "˜centrão"™, que cobiça cargos no governo

18/07/2017 08:20h

Compartilhar no

O presidente Michel Temer lançou uma ofensiva para tentar reduzir a tensão em alas do PSDB, hoje o mais incômodo aliado do governo, e ampliar a gordura de votos para barrar a denúncia em plenário. Ao longo do fim de semana, o presidente ligou para ministros tucanos para abafar o desconforto provocado por especulações de que poderia tirá-los do cargo e, na segunda-feira, recebeu no Planalto o ministro das Cidades, Bruno Araújo, que vinha sinalizando a possibilidade de pedir para deixar o governo. O discurso feito aos tucanos foi de pacificação, e os ministros foram avisados de que, ao menos antes de votada a denúncia em plenário, não há previsão de alterações no primeiro escalão.

"Temer continua tendo os ministros do PSDB na mais alta conta", minimizou um interlocutor.

Apesar de o PSDB não ter entregue os votos para barrar a denúncia na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara — apenas dois dos cinco deputados se posicionaram a favor do presidente —, Temer resolveu focar na “linha de convergência” com os partidos da base.


Foto: Marcos Corrêa/PR

Governistas lembram que, apesar de boa parte dos deputados do PSDB se posicionar contra Temer na votação da denúncia, o cenário deve ser bem diferente quando as reformas tributária e da Previdência forem pautadas no plenário, pontos em que o governo vai se concentrar durante o recesso parlamentar. O PSDB é o principal defensor da agenda de reformas encampada pelo presidente, e o governo tem o apoio de governadores, prefeitos e senadores tucanos para dar prosseguimento a essa agenda.

Já os partidos do chamado “Centrão”, que apoiou Temer na CCJ, são vistos com certa desconfiança no governo, já que seus deputados são menos comprometidos com as reformas. O Palácio do Planalto já foi avisado, também, de que haverá defecções nessas legendas na hora de votar a denúncia em plenário. Por conta disso, a especulação sobre a troca de ministros tucanos é tratada no governo como “intriga do Centrão”.


"O governo está trabalhando com as convergências. Hoje há compromisso do PSDB com as reformas, e se houver votações em plenário, tanto de MPs, projetos como a denúncia, temos tranquilidade que contamos com votos inclusive do PSDB", disse um assessor palaciano.

Alberto Goldman, um dos vice-presidentes do PSDB, afirmou que não se preocupa com as investidas do grupo que forma o Centrão:

"Não é problema do PSDB. Temer faça o que quiser. Nada muda", afirmou.

O caso mais emblemático no PSDB é o do ministro das Cidades, Bruno Araújo (PE), o único dos ministros tucanos com mandato parlamentar a não fazer uma defesa pública do governo desde que foi divulgada a delação da JBS. Ao contrário, chegou a demonstrar disposição para deixar o cargo e defendeu o desembarque do PSDB do governo. Apesar disso, a relação com Temer, segundo interlocutores disseram ao GLOBO, está “totalmente pacificada”.

O orçamento robusto da pasta que Bruno ocupa desperta o interesse dos partidos do Centrão, responsáveis, em grande medida, pela vitória de Temer na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara. Essas legendas pressionam por mais espaços no governo.

"Os outros partidos aliados gostariam de ter mais espaços no governo, o Ministério das Cidades é importante, mas hoje está nas mãos do Bruno e não está ofertado a quem quer que seja", disse um interlocutor do presidente.

Defesa de verbas liberadas

Na segunda-feira, para sepultar as especulações de uma eventual troca de comando da pasta, Temer recebeu Bruno Araújo no Palácio. O assunto oficial foi o lançamento do programa Cartão Reforma. Num gesto de aproximação, o presidente deve comparecer, ao lado do ministro, ao lançamento do programa nesta quarta-feira, em Caruaru, em Pernambuco, estado natal de Araújo. O programa, que pretende atender ao menos 85 mil famílias este ano, dá a famílias com renda menor de R$ 2.811 a possibilidade de receber até R$ 9 mil para compra de materiais de construção.

Ministros estão otimistas com a possibilidade de o PSDB entregar mais votos para barrar a denúncia contra Temer no plenário da Câmara. Segundo levantamento de governistas, hoje já haveria mais votos pró-Temer na bancada do que contrários. Mesmo assim, segundo enquete do GLOBO, Temer ganhou, na segunda, mais dois votos de deputados tucanos contrários a ele.

Após O GLOBO publicar no domingo que o governo liberou R$ 15,3 bilhões em programas e verbas para estados e municípios, como forma de aceno a parlamentares, o Planalto soltou nota para defender a medida. “A liberação de recursos para municípios trata-se de procedimento absolutamente normal. Tais recursos serão utilizados obedecendo a critérios como seleção pública e avaliação de risco de crédito. (...) Quanto às emendas parlamentares mencionadas, esclarece que trata-se de um procedimento obrigatório previsto na Constituição”. 

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no
Fonte: O Globo

Deixe seu comentário