• Curta Doar
  • Teresina 167 anos
  • Casa dos salgados
  • Novo app Jornal O Dia

Silvio Mendes diz que Firmino ainda não decidiu quem apoiará em 2020

Os dois estiveram juntos no último fim de semana, quando o prefeito fez uma visita ao ex-gestor de Teresina em sua residência.

31/07/2019 13:43h - Atualizado em 31/07/2019 15:09h

O ex-prefeito de Teresina Silvio Mendes (Progressistas) afirmou nesta quarta-feira (31) que o atual prefeito da cidade, Firmino Filho (PSDB), ainda não decidiu quem apoiará na disputa pela Prefeitura da capital em 2020.

Segundo Silvio, os dois estiveram juntos no último fim de semana, quando o prefeito fez uma visita ao ex-gestor de Teresina em sua residência.

"O Firmino esteve lá na minha casa há poucos dias, no sábado. Conversamos longamente, e eu posso dizer que o Firmino não tem um candidato. Ele não quer tratar disso, e está correto, porque é preciso que ele trabalhe pela cidade, cumpra a missão dele de prefeito. Portanto, não é tempo de discutir isso. Mas, claro que também não pode ser [uma decisão] de última hora, até porque não existe esse nome. Então, é preciso comparar, ir atrás", afirmou Silvio, em entrevista à rádio FM O DIA (92,7 MHz).

O ex-prefeito Silvio Mendes (Foto: Elias Fontinele / O DIA)

Silvio avalia que Charles da Silveira, presidente da Fundação Municipal de Saúde (FMS), e Washington Bonfim, ex-secretário municipal de Planejamento, são duas boas opções para o PSDB lançar como pré-candidatos ao comando do Executivo da capital. Mas Silvio ressalta que "antes de ser eleito, tem uma campanha".

"E aí tem toda uma articulação política, com outros partidos, com candidatos. Não é um xadrez tão simples. O Firmino se preocupa? Sim. Até porque ele é a autoridade maior, o líder maior, pra fazer esses encaminhamentos. Mas hoje ele não tem esse nome", reitera Silvio.

Filiação ao Progressistas foi 'conveniência política', admite Silvio

O ex-prefeito Silvio Mendes revelou que seu retorno ao PSDB "é o caminho natural", e admitiu que sua filiação ao Progressistas, em fevereiro de 2017, foi uma "conveniência política". 

"Quando a gente foi para o PP [atual Progressistas], do senador Ciro, meu estimado amigo Ciro, foi por uma conveniência política e pela compreensão do próprio Firmino. Mas nas campanha passada, pelo Governo do Estado, eu não poderia deixar de apoiar o Luciano [Nunes]. Eu não poderia deixar de estar com o Luciano para estar com o candidato do PT [Wellington Dias]. Não seria eticamente recomendável. Então, eu saí do PP por essa razão, mas não foi nenhum motivo maior. Foi para poder acompanhar o Luciano, por achar que ele, como acho até hoje, seria o melhor para o Piauí", afirma Silvio Mendes.

Filiação ao Progressistas foi conveniência política, admitiu Silvio (Foto: Elias Fontinele / O DIA)

Por outro lado, Silvio ressalta que sua filiação ao PSDB não é necessária para que ele participe do processo eleitoral apoiando o candidato de sua preferência, já que ele não pretende disputar cargo eletivo em 2020. "Estar sem partido não impede de contribuir, de escutar, de dar opiniões", afirmou.

Silvio descarta candidatar-se novamente a prefeito por considerar que já teve sua "oportunidade", e que conseguiu fazer além do que estava planejado, em todas as áreas. 

Por: Cícero Portela

Deixe seu comentário