Rodrigo Maia articulou aprovação da reforma na CCJ, afirma Flávio Nogueira

O deputado piauiense voltou a falar da necessidade da aprovação da reforma da Previdência, porém, com alterações ao texto original.

27/04/2019 10:22h

Compartilhar no

Depois de muita discussão, a reforma da Previdência foi aprovada na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) nesta semana e segue agora para uma comissão especial antes de ser votada em plenário. Em entrevista à imprensa local, o deputado Flávio Nogueira (PDT), afirmou que o sucesso do trâmite só aconteceu pelo empenho do presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

“A Camada Federal, hoje, está sendo um poder moderador, fazendo respeitar, de fato, o que é o poder. O Rodrigo Maia tem muita habilidade, aliás, se não fosse ele, não teria passado pela Comissão de Constituição e Justiça”, declarou o parlamentar piauiense, que lembrou os episódios em que o chefe do legislativo trocou declarações polêmicas, através da imprensa, com o presidente Jair Bolsonaro (PSL).

O deputado também voltou a falar da necessidade da aprovação da reforma da Previdência, porém, com alterações ao texto original. Acontece que o seu partido, PDT, integra o bloco de oposição ao Governo e fechou questão contra a reforma da Previdência. Por sua vez, Nogueira disse que isso é um erro, e que é possível apresentar alternativas ao projeto. 

“Só porque vem do Planalto eu serei contra? (...) Tudo aquilo que posso estar ajudando ao povo, é obrigação minha. Não posso seguir muito a ideologia de qualquer partido nem seus entreveros com outros candidatos. Lógico, a linha mestra e doutrinária do partido estou dentro, mas particularidades, nem aqui [PDT] nem em outro”, enfatizou o pedetista.


Deputado Flávio Nogueira - Foto: Elias Fontinele/O Dia

Por fim, Flávio Nogueira informou que a indicação do novo superintendente do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) no estado lhe foi sugerida, através do coordenador da bancada federal do Piauí, deputado Átila Lira (PSB), mas ressaltou que o cargo será ocupado por um servidor de carreira do órgão.

Comissão Especial, que analisará reforma da Previdência, não terá participação de piauienses

Nenhuma das 49 vagas na comissão especial, na Câmara Federal, destinada a proferir um parecer acerca da proposta de mudanças no sistema de Previdência Social brasileiro, será ocupada por algum dos dez deputados piauienses. Estados vizinhos como Maranhão, com dois, e o Ceará, com quatro titulares, terão participação.

Até a manhã de ontem (26) ainda restavam quatro vagas para titulares que ainda não haviam sido preenchidas. Uma delas está reservada para indicação do Partido Novo e outras três pelo bloco formado por PT, PSB, PSOL e Rede, ou seja, quatro deputados piauienses ainda podem compor o grupo: Assis Carvalho (PT), Rejane Dias (PT), Merlong Solano (PT), e Átila Lira (PSB), que inclusive coordena a bancada federal do Piauí. A reportagem tentou contato com estes parlamentares, mas não obteve retorno.

Na primeira etapa de sua tramitação, a reforma da Previdência precisou de parecer favorável da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), onde a deputada Margarete Coelho (PP), única representante do estado no grupo parlamentar, votou favoravelmente pela admissibilidade do projeto. 

A comissão especial, instalada pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), na última quinta-feira (25), analisará o mérito da matéria, ou seja, os parlamentares titulares poderão apresentar modificações à proposta de autoria do poder Executivo. Para ser aprovado, o texto final precisa de pelo menos 25 votos favoráveis na comissão para só depois seguir para o Plenário da Casa.

Compartilhar no
Por: Breno Cavalcante - Jornal O Dia

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário