Novo secretário diz que é preciso priorizar sala de aula

Ellen Gera explica que toda a logística existe para ser base da aprendizagem e sua gestão será de continuidade das ações

08/04/2019 07:10h

Compartilhar no

O novo secretário de Estado da Educação, Ellen Gera, assumiu o comando da pasta há uma semana. Ao O DIA, ele afirmou que a prioridade de sua gestão vai ser organizar o setor  administrativo para que a logística sirva como base para o mais importante: a aprendizagem do aluno no chão da escola, dentro da sala de aula. O gestor faz questão de afirmar que a gestão é a mesma desde 2015 e ele pretende dar continuidade ao planejamento já realizado.

“Existe um planejamento em curso que já está sendo executado pela gestão da Casa. Nosso clima é de continuidade dentro da Seduc. Quem tá chegando não é de fora, nós fazemos parte da gestão atual, inclusive o planejamento de 2019 foi feito diante do quadro de dificuldade financeira, já adequando as expectativas para o cenário”, pontua Ellen Gera.

O gestor avalia que a nomeação de um técnico para gerir a pasta é um gesto do governador Wellington Dias (PT) para mostrar que a prioridade deve ser a progressão escolar dos alunos na idade correta, com base na capacidade de seguir o fluxo correto da educação e chegar em boas condições para o ensino superior e o mercado de trabalho.


Gestor fazia parte da equipe técnica da Seduc e foi escolhido para comandar pasta - Foto: Assis Fernandes/O Dia

“Temos a pauta da logística, que é o transporte escolar, a infraestrutura das escolas, o recursos humanos da SedGestor fazia parte da equipe técnica da Seduc e foi escolhido para comandar pastauc, os serviços de engenharia, licitação, mas temos que gerenciar isso de uma forma que essa logística ocorra de forma normal, como suporte para o mais importante, que é a aprendizagem dos alunos em sala de aula, com acesso a equipamentos de tecnologia e toda os recursos para desenvolver a aprendizagem”, argumenta.

O novo secretário avalia que o planejamento estratégico da Secretaria de Educação já elva em consideração o orçamento da pasta e defende a parceria com prefeituras para que os municípios se alinhem a um mesmo projeto de desenvolvimento da educação. “A educação ocorre no chão da escola. Todo o peso da burocracia da Seduc tem que servir para o ensino. Esse pensamento vem desde 2015, é claro que naquele momento os problemas eram tão graves que foi preciso reestruturar a pasta, ir buscar recursos para obras que estavam paralisadas, e aos poucos e mudando este foco para a aprendizagem”, conclui Ellen Gera.

Compartilhar no
Por: Breno Cavalcante - Jornal O Dia

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário