• Curta Doar
  • Teresina 167 anos
  • Casa dos salgados
  • Novo app Jornal O Dia

'Nós não acreditamos numa reforma sem municípios', diz APPM

Prefeito Jonas Moura considera que a reforma da Previdência permitirá que o governo fomente mais os municípios, mas diz que é necessário incluí-los na PEC, assim como os estados.

16/07/2019 13:34h - Atualizado em 17/07/2019 09:18h

O presidente da Associação Piauiense de Municípios (APPM), Jonas Mouras, prefeito de Água Branca, afirmou nesta terça-feira (16) que o Governo Federal ainda não colocou em prática um dos principais compromissos feitos pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) ainda durante a campanha eleitoral - o de que sua gestão iria priorizar o fortalecimento dos municípios, reduzindo a concentração de poder em Brasília.

Jonas acredita que a aprovação da reforma da Previdência, ao permitir um alívio nas contas da União, deve tornar o ambiente mais propício para que o governo, enfim, cumpra a promessa de fomentar o desenvolvimento dos municípios.

O presidente da APPM, Jonas Moura (Foto: Elias Fontinele / O DIA)

"Criou-se uma expectativa grande, desde a eleição do presidente Bolsonaro, de que iríamos ter menos Brasília e mais Brasil. Infelizmente, isso ainda não se concretizou. Nós estamos esperançosos com a aprovação da reforma [da Previdência]. Acreditamos que ela destrava muita coisa, como a questão da cessão onerosa, uma ajuda financeira para os municípios, algumas questões nas áreas da saúde e da educação, que a gente acredita que possa vir a ajudar os municípios. Mas até agora, realmente, ainda não teve nenhuma novidade nesse novo governo", opina o presidente da associação.

Jonas Moura também disse que a reforma da Previdência não conseguirá recuperar plenamente a economia do país se não incluir os estados e municípios.

O presidente da APPM afirma que os gestores municipais estão fazendo uma pressão muito grande para que o Congresso acrescente os demais entes federados na proposta de emenda à Constituição. "Nós não acreditamos numa reforma sem municípios", afirma Jonas Moura.



Por: Cícero Portela

Deixe seu comentário