Morte de Firmino e ida de Ciro para Casa Civil fizeram Silvio voltar para política

Nesta quinta (21), o ex-prefeito reúne vereadores de Teresina em sua casa para discutir a participação dos parlamentares na sua pré-campanha.

21/10/2021 10:10h - Atualizado em 21/10/2021 10:33h

Compartilhar no

O ex-prefeito de Teresina, Sílvio Mendes, revelou  em uma entrevista exclusiva ao Sistema ODIA de Comunicação os fatores que o levou a entrar de vez na campanha para o governo do Estado. Outrora afastado da política e cuidando de projetos pessoais, Silvio confirmou que a morte trágica do ex-prefeito Firmino Filho e a ida de Ciro Nogueira para o Ministério da Casa Civil foram fatores determinantes para o seu regresso à vida pública. Engajado na pré-campanha da oposição, Silvio é hoje o nome mais forte do bloco para ser candidato ao Palácio de Karnak.


Foto: Assis Fernandes/ODIA

Nesta quinta (21), o ex-prefeito reúne vereadores de Teresina em sua casa para discutir a participação dos parlamentares na sua pré-campanha. Silvio explicou que imaginava um cenário diferente para sua vida pública, mas fatores externos levaram a uma mudança.

“Pensei realmente que o meu ciclo de gestão pública tinha se encerrado. Com o fato da partida do Firmino e a ida do Ciro para a Casa Civil eu fui chamado novamente a responsabilidade. Infelizmente, essa é uma área que não tem muita mercadoria disponível. Isso é ruim por que quantas pessoas do setor privado ou público poderiam ocupar esse espaço, por uma razão ou outra não aceitam essa missão. A política pra mim é uma questão de dever cristão, se você tem condição de ajudar a resolver tantos problemas, porque não fazer? Estava em uma posição muito cômoda, no melhor tempo da minha vida, mas fui chamado a responsabilidade e decidi fazer. Confesso que estou feliz porque nessas viagens encontro velhos amigos. As pessoas olham na gente essa esperança de construir um destino. Estou feliz e acho que estou fazendo a minha obrigação", disse Silvio Mendes. 

O ex-prefeito ainda revelou que não haverá ansiedade para a definição da chapa de oposição, a decisão deve sair até o final do ano

"Acompanhamos o sentimento de mudança, existe uma fadiga de material muito forte. Nas oposições não em conflito, estamos unidos com o mesmo objetivo, pensamos diferente, o que é natural, mas convergimos no principal. Então essa definição de posições se fará no final do ano e no começo do ano novo em respeito a própria população. Isso a meu pedido, conversei com o Ciro e a Iracema e pedi para colocar os nomes e avaliar, principalmente pela análise da população. O que for melhor para o Piauí será o escolhido”, concluiu Silvio Mendes. 

Cenário federal

Silvio Mendes ainda criticou a briga que existe hoje entre os poderes em Brasília. O ex-prefeito revelou que não irá federalizar a campanha para o governo estadual. 

“O Brasil está dividido em alguns aspectos por movimentos radicais, com, na minha visão, muitos equívocos nos três poderes. Por exemplo, no enfrentamento a pandemia tanta loucura a gente presenciou. Desejo como cidadão que aparecesse um homem ou uma mulher com uma estatura de estadista que pudesse pacificar o país, esse é o maior sonho que eu tenho hoje. Nós não vamos nacionalizar o Piauí, vamos nos oferecer para resolver os problemas dos piauienses, tenho certeza que é possível fazer. Nós temos a experiência de ter sido gestor em Teresina e fizemos a melhor educação das capitais do Brasil. Fizemos um sistema de saúde público descente que atende o estado inteiro”, finalizou Silvio Mendes. 

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário