• Piauí Férias de Norte a Sul
  • SOS Unimed
  • Ecotur 2019
  • Novo app Jornal O Dia

Médicos iniciam nova paralisação na terça-feira, por quatro dias

Categoria reivindica melhores condições de trabalho, realização de concurso público, reajuste salarial baseado no piso da Federação Nacional dos Médicos e o cumprimento da carreira médica.

13/07/2019 14:06h

Uma nova paralisação dos médicos servidores públicos do estado deve acontecer na próxima semana, entre os dias 16, terça-feira, e 19 de julho, sexta. Em assembleia geral extraordinária realizada na noite da última quinta-feira (11), na sede do Sindicato dos Médicos do Estado do Piauí (Simepi), a categoria analisou a mais recente proposta apresentada pela Secretaria de Administração e Previdência do Piauí.

Os médicos entenderam que suas reivindicações continuam sem ser atendidas pelo Governo do Estado, e, por unanimidade, decidiram aprovar a nova paralisação, de quatro dias. Durante o movimento, apenas os casos de urgência e emergência serão atendidos.

Samuel Rêgo, presidente do Sindicato dos Médicos do Piauí (Foto: Ascom Simepi)

“Os médicos estão revoltados com a atitude do estado, pois estamos reivindicando melhorias nas condições de trabalho e isso tem sido negado. Denúncias estão sendo feitas ao Ministério Público do Piauí, e o órgão já está com ações cíveis públicas contra a Secretaria Estadual de Saúde, devido à falta de estrutura nos hospitais. Pessoas estão morrendo por causa disso e os médicos não conseguem salvar as vidas da população, que é o desejo do nosso trabalho”, afirma Samuel Rêgo, presidente do Simepi.

Desde maio deste ano, o sindicato vem reivindicando melhores condições de trabalho, realização de concurso público, reajuste salarial baseado no piso da Federação Nacional dos Médicos (Fenam), e o cumprimento da carreira médica, com a efetivação da progressão.

Esta será a quarta paralisação realizada pela categoria médica desde maio, na rede estadual de saúde.

“O estado se julgou incompetente para solucionar os problemas. Saúde é prioridade e temos que ter respostas”, conclui Samuel Rêgo.

Por: Cícero Portela

Deixe seu comentário