• Clínica Shirley Holanda
  • Semana do servidor
  • Netlux
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

Luís André defende posse de vice na presidência do PSL

O presidente da executiva estadual quer o empresário Valter no comando da sigla até o final do ano.

21/08/2019 07:59h

O vereador Luís André, presidente da comissão provisória do PSL no Piauí, afirmou nesta terça-feira (20) que o empresário Valter Rei das Motos deve assumir o comando da sigla provisoriamente, até a eleição do diretório municipal definitivo. Segundo o parlamentar, a nomeação é amparada no estatuto do partido.

“Teremos que dar oportunidade para o Valter, que acho justo e legítimo, para que possa fazer seu trabalho até o fim do ano, quando o prazo da comissão provisória se extingue”, disse Luís André, que criticou o comportamento de alguns correligionários postulantes ao comando do PSL na capital.

Luís André defende posse de vice na presidência do PSL. (Foto:Assis Fernandes/ O Dia)

Apesar dos questionamentos acerca da nova composição o vereador ressalta que Valter foi uma escolha do ex-presidente da legenda em Teresina, Capitão Anderson, que morreu em um acidente de trânsito no início do mês. Ele reforçou a legitimidade do empresário para assumir o posto, e, apesar de criticar o comportamento de alguns filiados, ressaltou a importância do partido se manter unido.

“Muitos grupos de whatsapp querem criar problema em um fato que é simples. Se formos seguir o estatuto, ele fala de comissão provisória, que é um ato deliberativo do presidente estadual [...] O que queremos é um PSL unido, forte e preparado para as eleições de 2020 na cidade de Teresina e no estado do Piauí”, frisou o presidente estadual do partido.

A intenção do PSL é não seguir o grupo político do prefeito Firmino Filho (PSDB), ao qual Luís André faz parte, e ter candidatura própria ao Palácio da Cidade nas eleições de 2020. No entanto, antes de anunciar um nome majoritário, o partido deve fortalecer sua chapa de candidatos a vereadores, já que a intenção é ampliar sua bancada na Câmara Municipal de Teresina (CMT).

Edição: João Magalhães
Por: Breno Cavalcante

Deixe seu comentário