Luciano Nunes reconhece que PSDB precisa de novas lideranças no Piauí

Para o presidente estadual do PSDB, Luciano Nunes, Teresina era a referência para o partido no Piauí

30/11/2020 15:22h - Atualizado em 30/11/2020 15:36h

Compartilhar no

Com a derrota de Kléber Montezuma , em Teresina, o PSDB perdeu sua grande base de sustentação do estado. A sigla elegeu apenas o prefeito do município de Passagem Franca do Piauí, Saulo Trajano, nas eleições desse ano. O desafio agora do diretório estadual é buscar novas lideranças para os quadros do partido.


Leia tambémO maior desafio será enfrentar a pobreza, avalia Dr. Pessoa 

'Vou pedir a Deus para o Dr. Pessoa fazer uma boa gestão', declara Kléber Montezuma 


Para opresidente estadual do PSDB, Luciano Nunes, Teresina era a referência para o partido no Piauí. Mas ele ameniza a derrota ao defender que a sigla segue forte em Teresina porque é a segunda maior força política da capital com cerca de 40% dos votos do eleitorado teresinense.

“O partido continua firme e forte. Somos a segunda força política de Teresina, nosso candidato Kléber foi para o segundo turno, obteve quase 40% dos votos. O partido passou esse tempo todo no poder e tem um legado importante na cidade. Teresina era uma referência para o partido”, disse em entrevista ao Portal O Dia.

Luciano Nunes, presidente estadual do PSDB (Foto: Assis Fernandes / O DIA)

Luciano Nunes analisa que uma série de fatores levaram à derrota de Kléber Montezuma no segundo turno. O forte desejo de mudança expresso na cidade, contudo, foi preponderante para a eleição da oposição. Ele comenta que a sigla parte para fazer oposição no município.

“Você ganha e perde por vários fatores. Prevaleceu na eleição um sentimento de mudança. O PSDB vai estar onde a população colocou: na oposição. É preciso dar um tempo para se montar equipe, mostrar suas ações. Entendo que devemos fazer uma oposição responsável, crítica e construtiva”, afirmou.

Sobre o futuro do PSDB, Luciano revelou que é momento de buscar novas lideranças e organizar a sigla para a eleição estadual de 2022. “Agora temos que oxigenar o partido, buscar novas lideranças, avaliar e seguir em frente. Do ponto de vista político, precisamos fazer uma reflexão, uma avaliação, ver onde erramos. Entendo que o principal fator foi o sentimento de mudança, mais tempos que reconhecer nossos erros e traçar uma estratégia para o partido para 2022”, finalizou. 

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no
Por: Otávio Neto

Deixe seu comentário