• Clínica Shirley Holanda
  • Semana do servidor
  • Netlux
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

Júnior MP3 mantém pré-candidatura e critica 'elitização' do PT

Pré-candidato afirma que manterá o diálogo e que momento é processo educativo para cobrar atenção à base do partido.

27/09/2019 14:56h - Atualizado em 01/10/2019 11:35h

Na última quinta-feira (26) uma reunião definiu a desistência de Daniel Oliveira e a declaração de apoio à pré-candidatura de Fábio Novo  como pré-candidato do PT para as eleições de Teresina em 2020.

Com isso, o PT conta agora com 3 pré-candidatos, dentre eles o ativista social Júnior do MP3, que afirmou nesta sexta-feira (27) que mantém sua pré-candidatura a prefeito. Com uma crítica ao partido e levantando a bandeira de apoio à periferia, Júnior afirma que irá manter o diálogo com os outros pré-candidatos, mas a tendência é que dispute as prévias do partido.


“Somos minoria, somos pequenos dentro do partido, mas temos uma força muito grande, e fôlego pra discutir o partido e as eleições 2020. Então ficou acertado, vamos continuar dialogando, não somos inflexíveis, mas a gente entra nessa luta pra ganhar ou perder, faz parte”, afirma Júnior.

Com um discurso forte de críticas a setores do Partido dos Trabalhadores, Júnior afirma que a base do partido, setor que ele integra, atualmente está afastada e humilhada e sempre fica de fora do poder. Mesmo com o momento vivido atualmente dentro do partido, Júnior relata que não pensa em deixar a sigla, mas mantém as críticas e diz que o partido está 'elitizado' e 'esquecendo suas bandeiras'.

“O que eu tenho que fazer dentro do PT é brigar por espaço. [...] Embora eu vejo que o partido está perdendo o seu rumo, embora eu veja que o PT está elitizado, embora eu veja que o partido está esquecendo suas bandeiras, embora eu veja que o partido, como dizem os mais antigos, está virando farinha do mesmo saco”, afirma Júnior.


Júnior do MP3 mantém pré-candidatura e critica 'elitização' do PT. (Foto: Elias Fontenele/O Dia)

O momento, segundo Júnior , é de discutir e provocar a imposição da base do partido, como um processo educativo para que qualquer integrante do partido possa ter a iniciativa de disputar uma eleição e participar do poder.  que segundo ele só é convidada como exército de batalha, e não como exército de ocupação.

“Agora eu estou mostrando pra eles, que é necessário que a base agora tenha um representante, que a base se imponha. Isso aqui é um processo educativo, pra mostrar pra qualquer petista que ele pode ser candidato a senador, governador, prefeito, candidato ao que ele quiser, se ele tem uma filiação partidária ele pode”, afirma Júnior.

Caso o partido não chegue a um consenso, as prévias para definir o nome a disputar a eleição terão os nomes de Fábio Novo, Franzé Silva e Júnior do MP3. 

Por: Rodrigo Antunes

Deixe seu comentário