• SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

Hectare de terra no Cerrado é o mais caro de todo o Piauí

Os valores são definidos pelo governo do Estado, através do Instituto de Terras do Piauí (Interpi), por meio de decreto publicado anualmente no Diário Oficial do Estado.

03/02/2020 08:43h

Quando o assunto é regularização fundiária, o estado do Piauí é divido em quatro regiões: Litoral, Meio Norte, Semiárido e Cerrado. Cada uma das regiões, a partir de suas peculiaridades e condições, possui um valor diferente estabelecido na cobrança do hectare vendido pelo estado. Os valores são definidos pelo governo do Estado, através do Instituto de Terras do Piauí (Interpi), por meio de decreto publicado anualmente no Diário Oficial do Estado.

Leia também: Produtores rurais questionam valores para regularização fundiária 

O Cerrado, atualmente, é a região mais valorizada, com o valor mais caro cobrado para a venda do hectare. Em 2019, o valor cobrado a vista pela unidade do hectare na região variou entre R$ 332,00 e R$ 370,00. Os produtores que optam por fazer a compra a prazo podem chegar a pagar mais de R$ 700,00 por um hectare de terra no Cerrado piauiense.


Hectare de terra no Cerrado é o mais caro de todo o Piauí - Foto: Divulgação

A segunda região mais valorizada, entre as quatro utilizadas no processo regularização fundiária, é o litoral. Composta pelos municípios de Cajueiro da Praia, Ilha Grande, Luís Correia, Parnaíba, Bom Princípio, Buriti dos Lopes, Caraúbas, Caxingo, Cocal, Cocal dos Alves e Murici dos Portelas; cada hectare na região varia entre R$ 260,00 e R$ 290,00, caso a compra seja realizada à vista. A prazo, o valor pode chegar a mais de R$ 600,00.

Já as regiões Meio Norte e Semiárido apresentam os menores valores cobrados por hectare. No Meio Norte, o valor à vista varia entre R$ 214,00 e R$ 238,00. Já no Semiárido aparecem as terras menos valorizadas, uma vez que o valor à vista, de acordo com a última planilha divulgada no Diário Oficial, fica entre R$ 195,00 e R$ 217,00.

Por: Natanael Souza, do Jornal O Dia

Deixe seu comentário