• COMBATE AO MOSQUITO AEDES AEGYPTI 2019 - 2020
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

Governo e Fiepi tratam sobre instalação de Porto Seco

A área em que o porto será instalado foi o principal tema da reunião entre interessados na obra

11/01/2020 11:10h

O governador Wellington Dias se reuniu na sexta-fei­ra(10) com o diretor da Fede­ração das Indústrias do Estado do Piauí (Fiepi), Freitas Neto. Na conversa, eles trataram so­bre a possível área de instala­ção do Porto Seco de Teresina.

Dias informou na reunião que há a possibilidade de que o Porto Seco seja implantado em um galpão que pertence à Companhia Nacional de Abas­tecimento (Conab). “Aqui acertamos trabalhar nesse caminho e estamos em nego­ciação com a ministra da Agri­cultura, Tereza Cristina, para a definição desta área, que faci­litará muito a implantação do terminal alfandegado”, disse o governador.

Ainda de acordo com o che­fe do Executivo estadual, o Piauí já ampliou o mercado de exportação, ainda que com poucos produtos, como a soja, o milho e mel, mas o desejo é de criar condições para que o estado possua um porto seco, que é essencial para a estabili­dade dos preços e competitivi­dade.

Para Freitas Neto, a área em questão é estrategicamente bem colocada nas margens da ferrovia. “A definição da área é fundamental para o desen­rolar do processo. A Fiepi tem feito a intermediação entre os empresários interessados no porto, que precisam dele para exportar e importar a partir de Teresina, desembaraçando, do ponto de vista legal, todo o processo aqui, ao invés de fazer em Fortaleza ou outro porto. O Porto Seco de Tere­sina facilitará os negócios de importadores e exportadores, além de ser benéfico para a economia do Piauí”, afirmou o diretor da Fiepi.

Entre as vantagens da insta­lação do porto seco estão: o aumento da receita do estado e a otimização do tempo, uma vez que para importar maté­ria-prima por meio de portos vizinhos leva-se até 120 dias e, com o armazenamento desses produtos no Porto Seco de Te­resina, o período será reduzi­do sensivelmente.

Por: Natanael Souza, do Jornal O Dia

Deixe seu comentário