• cultura teresina
  • Cobertura Zé Pereira
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

Prefeitos divergem sobre proposta do governo para Saúde

Firmino classificou como calote a proposta do governo do estado aos municípios de um novo acordo para o financiamento dos serviços de saúde.

25/01/2020 08:33h - Atualizado em 27/01/2020 10:42h

Um áudio do prefeito de Teresina Firmino Filho no grupo de WhatsApp da Associação Piauiense de Municípios (APPM) sobre propostas de cofinanciamento da saúde elevou o clima entre o gestor da Capital e prefeitos do interior do Piauí.

Firmino classificou como calote a proposta do governo do estado aos municípios de um novo acordo para o financiamento dos serviços de saúde. Ele criticou a medida ao afirmar que não existe base legal para essas propostas e que o governo desrespeita os municípios ao sugerir a proposição.

“Tomamos conhecimento de duas propostas feitas pela Secretaria da Fazenda e Secretaria de Saúde. As duas propostas dizem mais ou menos o seguinte. Esqueçamos o passado e daqui para frente vamos pagar o que é divido. Acredito que essa proposta ela é não apenas ilegal, não tem nenhuma base legal, como desrespeita o compromisso do estado no cofinanciamento. Acredito que chega a ser uma provocação em relação aos municípios”, disse Firmino no áudio.

A reação partiu primeiramente do prefeito de Hugo Napoleão, Hélio Rodrigues. Ele disse a proposta do governo não se trata de um calote, pois nenhum município é obrigado a aceitar. “Aceita quem quiser, que não quiser não aceita. A APPM fez uma proposta para o governo do estado, o governo fez outra proposta, conforme pode pagar. Quem quiser aderir a proposta do governo do estado é livre”, discordou.


Firmino e prefeitos do interior divergem sobre proposta do governo para Saúde. Foto: Assis Fernandes

O prefeito de Marcolândia, Chico Pitu, foi contundente ao discordar de Firmino Filho. O gestor disse que cada prefeito responde por seu município e que Firmino, como prefeito de uma capital, tem situação mais confortável que os municípios menores que sofrem com a falta de recursos. Para ele, esse é uma chance das cidades do interior receberam os valores.

“A minha posição é a seguinte: quem não quiser receber a proposta de 10% de entrada e o resto que 24 meses vai ficar sem receber. Eu vou fazer meu acordo. Cada um manda no seu município. o Firmino manda em Teresina. Ele não manda no meu município. No meu município manda eu. Firmino tem pano para as manga. Firmino recebe nosso dinheiro dos 223 municípios do estado para cuidar da saúde do Piauí”, disse Chico Pitu em tom alterado.

As críticas do prefeito de Teresina à gestão da saúde estadual são recorrentes. Ele alega que a Capital é obrigada a absorver uma grande demanda do interior do Estado e o governo ainda atrasa repasses.

Por: Otávio Neto

Deixe seu comentário