Etapa Final: Relator defende importância da Odebrecht no processo

"Não teríamos como esquecer a matriarca da manada de elefantes. Isso se não estivesse mencionada, mas está", afirmou.

09/06/2017 10:28h

Compartilhar no

A sessão do quarto dia de julgamento da chapa Dilma-Temer no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) começou às 9h28 desta sexta (9) com o presidente do tribunal, Gilmar Mendes, afirmando que o julgamento está chegando ao final. Ele pediu que as intervenções dos ministros sejam seletivas de modo que "os trabalhos fluam". Gilmar Mendes afirmou ainda que haverá oportunidades para réplicas dos ministros nos momentos dos votos.

O relator, Herman Benjamin, retomou seu voto voltando a citar argumentos que havia listado na quinta-feira (9). Ele citou, por exemplo, a expressão "propina-gordura", que faz referência ao dinheiro ilegal que fortalecia partidos da chapa Dilma-Temer.

Benjamin reforçou que pagamentos com dinheiro desviado da Petrobras foram feitos ao casal de marqueteiros João Santana e Mônica Moura em 2014, ano da campanha eleitoral. Este é um dos pontos que ele deve usar para pedir a cassação da chapa e que, diz, nada tem a ver com a Odebrecht, cuja inclusão no caso é contestada por ministros.

O relator afirmou que a Odebrecht foi citada expressamente na petição inicial. E que "não há como investigar" o financiamento de campanhas no país sem investigar a Odebrecht. "Não teríamos como esquecer a matriarca da manada de elefantes. Isso se não estivesse mencionada, mas está."

 Benjamin relembrou o depoimento do empreiteiro Marcelo Odebrecht, que afirmou que a "conta-poupança" para o PT tinha R$ 150 milhões. Benjamin também afirmou que Fernando Migliaccio, que operava pagamentos da empreiteira fora do Brasil por meio de offshores, "era uma espécie de gênio financeiro" do sistema de pagamento de propinas. Os dois hoje são delatores da Operação Lava Jato.

Benjamin afirmou que o volume de recursos era tão grande que nem o dono da empreiteira -Marcelo Odebrecht- sabia quanto dinheiro estava sendo utilizado em repasses ligados ao PT. O relator diz que o pagamento de propina, feito em parte fora do país, estava protegido por uma "muralha da China".

O relator também citou em seu voto troca de e-mails entre os ex-executivos da empresa sobre as contas de propina apelidadas de "Italiano" e "Pós-Italiano", que, segundo os delatores, faziam referência aos ex-ministros da Fazenda Antonio Palocci e Guido Mantega.

Cansaço

No início da sessão, Herman Benjamin agradeceu os colegas "pela paciência de escutar" seu voto na quinta-feira (8).

Quando argumentava que as provas ligadas Odebrecht são, sim, importantes ao processo, o relator confundiu a empreiteira brevemente com a Petrobras.

"O cansaço já vai levando à troca de nomes", disse, esfregando a testa com as mãos.

Compartilhar no
Fonte: Folhapress

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário