Eleição do TCE: Ricardo Teixeira defende imparcialidade em julgamentos

O candidato defendeu a importância do órgão de controle para o Piauí, mas criticou as repetidas eleições de deputados para o cargo de conselheiro

02/09/2021 15:45h

Compartilhar no

A imparcialidade nos julgamentos realizados nos Tribunal de Contas do Estado do Piauí é uma das pautas defendidas pelo auditor fiscal do município de Teresina, Ricardo Teixeira, ao apresentar sua candidatura ao cargo de conselheiro do TCE-PI nesta quinta-feira (02) no programa O Dia News, da O Dia Tv, que iniciou uma rodada de entrevistas com todos os candidatos ao cargo.

Ricardo Teixeira é auditor fiscal do município de Teresina há 13 anos. Atualmente está no mandato de controlador-geral do município de Teresina. Ele tem formação em contabilidade, é especialista em contabilidade de orçamento público, tem MBA em liderança em gestão pública.


Leia tambémMesa derruba sugestão de Themístocles e deputados candidatos votarão na eleição do TCE 


O candidato defendeu a importância do órgão de controle para o Piauí, mas criticou as repetidas eleições de deputados para o cargo de conselheiro. Para Ricardo, os interesses pessoais e políticos por trás de um parlamentar prejudica sua atuação no Tribunal. Ele aposta que haja um equilíbrio entre eleições de técnicos e políticos.

Foto: Jailson Soares / O Dia

“O Tribunal de Contas é um órgão essencial na defesa do patrimônio público, na defesa da lei e, em última instância, protege o dinheiro da sociedade, aquilo que se paga de impostos, o que vai para o Estado e para as prefeituras. Por isso, é importante que haja alguém imparcial, com conhecimento técnico e vivência na vida pública. A ascensão de um técnico ao TCE vai representar maior isenção e maior proteção ao dinheiro público”, declarou.

Ricardo Teixeira reconhece a legalidade na candidatura de deputados, contudo, pontua que parlamentares no TCE pode prejudicar a credibilidade da atuação da corte. “Ao viver muitos anos na vida política, se constrói aliados políticos, amigos e inimigos. Quando ascende ao cargo de conselheiro que vai realizar um julgamento, é muito difícil você separar essas coisas. Seu amigo continua sendo seu amigo e seu inimigo talvez continue seu inimigo”, disse.

Dentre os problemas, ele pontua que há necessidade de canais específicos entre o Tribunal e Contas e as controladorias dos municípios para que denúncias sejam enviadas e a posterior consulta do andamento da pauta. A celeridade em notificações de citação em processos e na fiscalização de denúncias de órgãos da sociedade é outra melhoria aponta pelo candidato. 

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário