• cachoeir piaui
  • Campanha salao
  • APCEF
  • Novo app Jornal O Dia
  • TV O DIA att
  • TV O Dia - fullbanner

Duas cidades de MG têm evacuação de moradores por risco em barragens

Os alertas ocorreram em Barão de Cocais, a 100 km de Belo Horizonte, e Itatiaiuçu, na região metropolitana.

08/02/2019 09:38h - Atualizado em 08/02/2019 09:54h

Duas cidades de Minas Gerais foram parcialmente evacuadas na madrugada desta sexta-feira (8) devido ao risco de rompimento de barragens. Os alertas ocorreram em Barão de Cocais, a 100 km de Belo Horizonte, e Itatiaiuçu, na região metropolitana.

Em Barão de Cocais (a 146 km de Brumadinho), a Vale deu início a uma evacuação de 500 pessoas das comunidades de Socorro, Tabuleiro e Piteiras.

A Agência Nacional de Mineração (ANM) determinou a implantação do Plano de Ação de Emergência de Barragens de Mineração (PAEBM) após a avaliação de uma consultoria atestar que a estrutura não é estável -a empresa, Walm, negou a Declaração de Condição de Estabilidade à barragem.

A evacuação é uma medida é preventiva. De acordo com a mineradora, as inspeções no local foram intensificadas e consultores internacionais devem fazer nova avaliação no domingo (10). ​​

Em vídeo postado em rede social, um homem de Santa Bárbara, município vizinho, registrou o alerta dos alto-falantes.


Foto: Agência Brasil

"Atenção, atenção: isso é uma emergência. Atenção, atenção: essa é uma situação real de emergência de rompimento de barragem. Abandonem imediatamente suas residências, sigam pela rota de fuga até o ponto de encontro, e permaneçam até que sejam passadas novas instruções." Em seguida, é tocada a sirene.

Em nota, a prefeitura do município afirma que os moradores foram evacuados por ônibus da Vale e outros veículos para o ginásio poliesportivo da cidade.

A barragem Sul Superior tem volume de 6 milhões m³ de rejeitos principalmente de minério de ferro. Ela é uma barragem de 85 metros de altura, e segundo dados da ANM tem o risco enquadrado como baixo e o dano potencial como alto -ambos iguais à de Brumadinho.

Ela é uma das dez barragens a montante inativas remanescentes da Vale e faz parte do plano de aceleração de descomissionamento de barragens a montante (com degraus sobre os rejeitos, sistema mais barato e menos seguro). A estrutura suportava a produção da mina de Gongo Soco, cuja produção de minério de ferro foi paralisada pela Vale em abril de 2016.

​​A Defesa Civil confirmou também o alerta em Itatiaiuçu (a 36 km de Brumadinho). 60 pessoas do distrito Pinheiros foram evacuadas de suas casas em ônibus e levadas para hotéis, devido a riscos em uma barragem da mineradora ArcelorMittal, segundo o porta-voz da Defesa Civil de MG, tenente-coronel Flávio Godinho.

A barragem da ArcellorMittal tem 5 milhões m³ também de rejeitos de minérios de ferro e 89 metros de altura. Assim como a de Brumadinho e a outra da Vale em Barão de Cocais, esta de Itatiaiuçu também tem classificação de risco baixa e dano potencial alto. ​​​Seu método construtivo ​também​ é a montante.

As​ ações foram tomadas duas semanas após a barragem da mina do Córrego do Feijão se romper em Brumadinho, na região metropolitana de Belo Horizonte.

Nesta quinta-feira (7), o número de mortos no desastre de Brumadinho chegou a 157. Há ainda outras 182 pessoas desaparecidas entre funcionários da mineradora e moradores da região. Do total de vítimas, 134 já foram identificadas. ​

Fonte: Folhapress

Deixe seu comentário