Corregedoria afasta diretoria interina de dois cartórios por irregularidades

Corregedoria detectou pagamento de hora extra para tabeliões sem autorização do TJ e ainda benefícios à parentes de diretores

06/07/2017 07:49h - Atualizado em 06/07/2017 09:14h

Compartilhar no

A Corregedoria Geral do Tribunal de Justiça do Piauí decidiu pela demissão dos integrantes das diretorias dos cartórios do 2º e 8º ofícios de notas e imóveis de Teresina, que antes integravam o cartório Naila Bucar. A decisão da Corregedoria é consequência de fiscalização que detectou irregularidades na gestão financeira e em procedimentos técnicos nos dois cartórios. 

Em entrevista concedida a imprensa, o juiz auxiliar da Corregedoria, Júlio Cesar Garcez, explicou que entre as irregularidades estão o pagamento de hora extra para tabeliões substitutos sem a autorização do Tribunal de Justiça, benefícios financeiros concedidos a parentes de diretores dos cartórios, além de favorecimento a empresas privadas que possuem ligações com integrantes da diretoria. 

“Identificamos antecipações de prazos a empresas ligadas a tabelião substituto, em detrimento de outros processos que tramitavam. Inclusive nos processos das empresas beneficiadas, havia pendencias que não foram cumpridas. Diante disso, imputamos a responsabilidade indireta da tabeliã interina, Rayone Queiroz”, afirmou o juiz Júlio César Garcez. 

No pagamento irregular de hora extra, tabeliões substitutos foram beneficiados em mais de R$ 3 mil. Com a exoneração de Rayone Queiroz, uma funcionária do Tribunal de Justiça, de nome Meirilane, será nomeada para gerir o cartório. 

O cartório em questão tem um histórico de irregularidades. Ano passado, quando ainda estava sob o nome Naila Bucar, a direção foi acusava de desviar R$ 27 milhões do Fundo Especial de Modernização e Reaparelhamento do Poder Judiciário do Piauí. Com as denúncias, a então tabeliã Lysia Bucar foi substituída por Rayone Queiroz.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no
Por: João Magalhães

Deixe seu comentário