• Novo app Jornal O Dia
  • ITNET
  • TV O DIA att
  • TV O Dia - fullbanner

Assessora de Flávio Bolsonaro repassou verba pública ao marido

Elisa, que se apresentava nas redes como "a federal do Bolsonaro no DF", recebeu R$ 25 mil do fundo criado para financiar campanhas políticas.

11/03/2019 14:40h

A jornalista Elisangela Machado dos Santos de Freitas, que disputou uma vaga na Câmara dos Deputados como Elisa Robson (PRP-DF) no ano passado e não se elegeu, destinou mais que a metade dos recursos que recebeu do fundo eleitoral ao próprio marido.

Administradora do perfil República de Curitiba, página simpática a Jair Bolsonaro, a jornalista agora foi contratada para trabalhar no gabinete de um dos filhos do presidente, o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), como ela mesma divulgou na quinta-feira (7) no Facebook.

Segundo dados do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Elisa, que se apresentava nas redes como "a federal do Bolsonaro no DF", recebeu R$ 25 mil do fundo criado para financiar campanhas políticas e sua maior despesa, R$ 14,9 mil (59% do total), foi com o próprio marido, o engenheiro Ronaldo Robson de Freitas. A candidata obteve 11.638 votos (0,81% dos votos válidos).

Pela declaração que consta na Justiça eleitoral, o analista da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) recebeu R$ 10 mil para "serviços de coordenação de campanha eleitoral", R$ 4 mil para "locação de equipamento para gravação de vídeo" e outros R$ 900 para "serviço de divulgação de campanha".

O contrato de R$ 10.900, firmado entre Elisa e Ronaldo em 26 de agosto do ano passado, indica que ele ficaria responsável "pela gestão de pessoas e de material de campanha, bem como monitoramento da divulgação do nome da candidata em ambiente virtual" de 16 de agosto a 7 de outubro.

Com data de 9 de setembro, Ronaldo emitiu um recibo de R$ 900 pelo trabalho de "monitoramento das redes sociais". Em 5 de outubro, foi assinado um outro recibo, de R$ 10 mil, por "coordenação de campanha". Os dois serviços, segundo os recibos, foram concluídos dois dias antes da data estipulada no contrato, no dia 5 de outubro. Também no dia 9 de setembro, Ronaldo assinou documento em que diz ter recebido R$ 4 mil pela "locação de equipamentos para gravação de vídeos".

Ronaldo é engenheiro mecânico com mestrado em Ética e Gestão, segundo seu perfil na página da Embrapa, onde trabalha desde 2007. É analista na área de Patrimônio e Suprimentos da Secretaria-Geral.

A Embrapa, vinculada ao Ministério da Agricultura, informou que, durante a campanha eleitoral, Ronaldo gozou de duas licenças médicas.

"No período de julho a outubro de 2018 foram registradas duas ausências por motivo de saúde: uma entre 13 e 17 de agosto e outra entre 3 e 5 de outubro, ambas por meio de atestado médico", informou a empresa em nota.

Procurado pela Folha de S.Paulo na sexta-feira (8), Ronaldo respondeu a apenas uma pergunta da reportagem sobre os serviços que prestou.

"Estão todos discriminados e apresentados à Justiça eleitoral bem detalhadamente. Você pode pegar os documentos e montar uma matéria e colocar onde você entender que seja melhor veiculado", disse o engenheiro antes de encerrar a ligação.

A reportagem procurou também Elisa, que informou apenas que já havia se manifestado nas redes sociais.

Em seu perfil no Facebook -a mesma em que informou, no dia anterior, ter começado a trabalhar com Flávio Bolsonaro-, a jornalista escreveu que a Folha de S.Paulo havia procurado o marido dela para saber como ele participara da campanha.

"Explico: meu esposo gerenciou todo o trabalho que foi feito de comunicação nas redes sociais", afirmou na postagem.

"Ele administrou as informações, os posts patrocinados, a produção de pequenos vídeos e os poucos recursos financeiros que precisaram ser gerenciados (com gasto total de R$ 30 mil. Inclusive, nossa família de 5 pessoas está sem carro até o hoje porque decidimos dar prioridade financeira para a minha campanha na época)", publicou a candidata derrotada.

"Graças ao seu trabalho feito com esmero, clareza e responsabilidade encerrei as eleições (mesmo sem nenhuma experiência em corrida eleitoral) com zero de dívida de campanha e sem dever nada a ninguém. Todas estas informações estão abertas e disponíveis no TSE para qualquer cidadão interessado. Portanto, qualquer tentativa de manipulação das informações prestadas será imediatamente desmascarada e respondida em público", encerrou.

A reportagem voltou a procurar Elisa no mesmo dia, desta vez por mensagem de Whatsapp, apresentando perguntas que não puderam ser feitas por telefone, pois a ex-candidata encerrou a ligação.

Foi questionado se o marido dela havia tirado licença da Embrapa durante a campanha.

A reportagem também perguntou o que ela tinha a dizer diante da manifestação da Procuradoria Regional Eleitoral no Distrito Federal pela desaprovação das contas dela e do pedido para que fosse determinada pela Justiça a devolução aos cofres públicos de R$ 1.520, que ela havia doado ao candidato a deputado estadual Edmilson Serafim Bezerra (PSL-GO), argumentando que a transação se reverteu em favor de sua própria campanha.

O Ministério Público considerou a argumentação da então candidata "genérica" e "abstrata" e disse que pelo fato de o candidato de Goiás "concorrer a cargo eletivo diverso, por outro partido político, em unidade federativa distinta fazem crer que a prestadora de contas [Elisa Robson] não obteve qualquer proveito político-eleitoral com a transferência questionada".

A Procuradoria diz ainda que "houve grave infringência" às regras de distribuição dos valores do fundo eleitoral e que ignorar isso seria justificar "eventuais procedimentos fraudulentos na aplicação de recursos públicos como são os oriundos do FEFC [Fundo Especial de Financiamento de Campanha, o fundo eleitoral], solapando-se, ainda, o elevado sentido da instituição da cota feminina no ambiente político-eleitoral brasileiro".

Por fim, a Folha de S.Paulo perguntou se o fato de Elisa ser administradora da página República de Curitiba havia sido levado em consideração para sua contratação no gabinete de Flávio.

Elisa não havia respondido até este domingo (10).

Segundo informações do Senado, a jornalista foi contratada por Flávio como auxiliar parlamentar plena, cargo que tem como salário base R$ 8,6 mil.

A reportagem também procurou, na tarde de sexta-feira, a assessoria de imprensa de Flávio Bolsonaro, questionando a função que Elisa exerceria no gabinete, qual o critério para a contratação e se havia sido levado em consideração o fato de a jornalista ser administradora de uma página pró-Bolsonaro.

A assessoria solicitou mais tempo para responder, alegando que não estava conseguindo contato com o senador.

No sábado, o gabinete divulgou nota em que afirma que "Elisa Robson deu todas as explicações em seu post na rede social".

Confrontados com o argumento de que as perguntas encaminhadas eram sobre a contratação e não sobre a campanha, tema da publicação de Elisa no Facebook, os assessores informaram não ter mais nada a falar sobre a questão.

Elisa Robson costuma postar vídeos e fazer transmissões ao vivo pelo Facebook no perfil "República de Curitiba". Ela ficou popular nas redes por um protesto que fez em agosto do ano passado em frente ao prédio da ONU (Organizações das Nações Unidas) em Brasília.

Ela chama a organização de "bunker do socialismo" e diz que é preciso "demitir a ONU do governo brasileiro".

"Temos que tomar uma atitude e temos que demitir a ONU do governo brasileiro. Chega desta influência nefasta que ela tem tido sobre nosso governo, sobre o nosso país há mais de 30 anos, patrocinando os governos socialistas desde Fernando Henrique, Lula, Dilma e Temer", diz ela cortando um papel com uma tesoura diante do prédio.

Fonte: Folhapress

Deixe seu comentário