• Teresina shopping
  • HEMOPI - Junho vermelho
  • ITNET
  • Novo app Jornal O Dia
  • TV O DIA att

“Governo está plantando terrorismo”, diz líder da oposição

Gustavo Neiva comentou as declarações de membros do Executivo sobre risco de atrasos de salários.

14/06/2019 07:01h - Atualizado em 14/06/2019 07:20h

O líder da oposição na Assembleia Legislativa, Gustavo Neiva (PSB), afirmou que o governo do Estado está fazendo ‘terrorismo’ ao anunciar a possibilidade de atrasos nos salários e no 13º por conta da queda do repasse do FPE. De acordo com o parlamentar, é natural que haja uma queda nas receitas durante os meses de junho e julho, o que não é justificativa para atrasos no pagamento do funcionalismo. 


Gustavo Neiva afirmou falta planejamento na gestão - Foto: Elias Fontinele/O Dia

“O governo agora está plantando um terrorismo para o funcionalismo público, dizendo que pode atrasar o salário, e culpando a queda no Fundo de Participação. Mas, todos nós sabemos que nesses meses, a partir de junho, há essa queda. Eu fui prefeito na década de 90, e nesses meses, o FPM já era ruim, porque a Receita começa a fazer a restituição do Imposto de Renda para as pessoas que tem esse crédito a receber da União. Então, o Estado não pode culpar a queda do FPE, o que há é falta de planejamento, falta de organização e falta de priorização”, disparou Neiva. 


Leia:

Queda no FPE coloca em risco pagamento da 2ª parcela do 13º 


Ainda de acordo com o líder da oposição, a gestão do governador Wellington Dias (PT) precisa adotar medidas mais efetivas para manter o equilíbrio das contas públicas, ao invés de apontar apenas dificuldades. 

“O governo nunca está preocupado com a população, sempre está fazendo novas acomodações políticas para acalmar a base insatisfeita. O governo só prioriza a parte política. Fez uma reforma administrativa pífia e insignificante, que foi mutilada pelo próprio governador. O governo tem que fazer o dever de casa, e não plantar terrorismo, dizendo que pode atrasar salários”, avaliou. 

Edição: João Magalhães
Por: Natanael Souza - Jornal O Dia

Deixe seu comentário