• Clínica Shirley Holanda
  • Semana do servidor
  • Netlux
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

Três pessoas são presas acusadas de adotarem bebê ilegalmente

Segundo a PM, a mãe biológica da criança era mantida em cárcere privado em uma casa no Porto Alegre e o bebê estava com um casal no Santa Luzia.

17/09/2019 10:37h

Policiais do 17º BPM de Teresina prenderam três pessoas acusadas de envolvimento na adoção ilegal de um recém-nascido no loteamento Porto Alegre, na zona Sul. Segundo os policiais, eles teriam tomado o bebê da mãe biológica e o registrado como filho de pais ilegítimos. A mãe da criança, identificada pelas iniciais N.S.C, estaria sendo mantida em cárcere privado.

A ação começou por volta do meio dia de ontem (16), quando os policiais receberam a denúncia por meio do Copom. Eles se deslocaram para a residência, localizada na Rua J. Claudino, e adentraram no local. Lá, a guarnição encontrou a mãe do bebê, que relatou estar ali contra sua vontade ,sendo mantida em cárcere privado.


Foto: Divulgação/PM-PI

Segundo a PM, ela disse ainda que a dona da casa teria roubado sua filha, de apenas 15 dias de vida, registrando a criança na Maternidade do Promorar com o nome da mãe alterado para uma terceira pessoa.  Questionada sobre isso, a proprietária do imóvel disse que a criança estava em uma casa no bairro Santa Luzia, para onde os policiais se dirigiram.

Lá, os PM’s constataram que a criança estava mesmo na residência, acompanhada de um casal, que não teve o nome informado. Os dois foram conduzidos para a Central de Flagrantes junto com a proprietária da casa onde N.S.C estava sendo mantida em cárcere. A delegada Lucivânia Vidal, coordenador da delegacia, disse que já abriu um inquérito.

“Houve um ilícito e já iniciamos o procedimento, inclusive acionando o Conselho Tutelar, que está acompanhando tudo. O flagrante foi feito e agora vamos encaminhar todo o processo ao juiz que vai decidir na audiência de custódia se o casal e a dona da casa onde a mãe da criança estava continuarão presos ou se vão responder em liberdade”, explicou a delegada.

Por: Maria Clara Estrêla

Deixe seu comentário