Travesti baleada no corso morre por falência múltipla de órgãos

Pamela Leão foi atingida por um tiro na cabeça e seguia internada em estado grave no HUT.

03/05/2016 08:34h - Atualizado em 03/05/2016 09:00h

Compartilhar no

A travesti Pamela Beatriz Leão, baleada no dia 30 de janeiro durante o Corso de Teresina, morreu na madrugada desta terça-feira (02). Por volta das 00h30, a travesti faleceu após apresentar falência múltipla dos órgão. Ela estava internada em estado grave no HUT após ter sido atingida por um tiro na cabeça.

Foto: Reprodução

A suspeita é que uma adolescente tenha atirado contra Pamela Leão enquanto dançava a música “metralhadora”. O disparo feito pelas amigas da travesti, segundo o depoimento delas à polícia, foi de forma acidental. 


Leia também: Jovem que atirou em travesti no corso estaria dançando 'metralhadora'
                        Dono de arma que atirou em travesti estava afastado da polícia
 A arma, uma pistola ponto 40, teria sido encontrada por elas na festa. O armamento é de uso restrito da polícia. Um subtenente da Polícia Militar, que não teve o nome divulgado, chegou a se apresentar na delegacia para prestar depoimento em fevereiro.Na ocasião, ele informou ainda que perdeu a arma e esperou dois dias para fazer o boletim de ocorrências.

Ninguém foi preso. O corpo de Pamela Beatriz Leão já foi liberado para ser velado pela família.

Compartilhar no
Edição: Nayara Felizardo
Por: Ithyara Borges

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário