Promotor pediu prisão de PM"™s que mataram comerciante para evitar que eles fujam

Em conversa com o Portalodia.com, o promotor Assueiro Stevenson afirmou que a ação dos policiais foi "˜desastrada e explosiva"™ e que houve omissão de socorro.

01/10/2021 08:59h - Atualizado em 01/10/2021 09:52h

Compartilhar no

A ação policial que culminou no assassinato do comerciante Cândido Constâncio Filho na Santa Maria da Codipi, em Teresina, foi classificada como “desastrada e explosiva” pela Promotoria de Justiça do Ministério Público, que está acompanhando o processo. Ontem (30), os PM’s que participaram da ação foram presos após se apresentarem ao Comando Geral da Polícia Militar, hoje, eles passam por audiência de custódia, que irá decidir se o flagrante será convertido em prisão preventiva ou se os militares irão responder ao processo em liberdade.

Em conversa com o Portalodia.com, o promotor de justiça Assueiro Stevenson explicou as motivações fundamentam o pedido de prisão preventiva. De acordo com ele, houve um claro desrespeito e descumprimento do que diz o Artigo 255 do Código de Processo Penal Militar, que trata do regramento sobre as abordagens policiais, e dos procedimentos a serem adotados em caso de algum civil acabar ferido durante a ação.


Leia também: Vídeo mostra momento em que comerciante é baleado durante perseguição da PM 

Tiro que matou comerciante em Teresina pode ter sido disparado por PM 


No entendimento de Assueiro Setevenson, os policiais acusados de matar Cândido Filho se evadiram do local do fato sem prestar socorro à vítima e tinham inclusive a intenção de fugir para não responderem ao processo. “O que eu fiz foi assegurar a aplicação da lei penal, porque nesse caso em específico os policiais iam fugir. Eles fugiram do local do fato, tanto é que se apresentaram de forma voluntária. Essa história de ‘não fugir’ não é conversa. Se fosse uma ocorrência em que não tivesse culpa, porque eles não se apresentaram e chamaram uma guarnição para dar suporte? Eles sumiram inclusive levando um bem público, que era a moto em que eles se encontravam”, explicou o promotor.


O promotor Assueiro Stevenson explicou o que motivou o pedido de prisão preventiva dos policiais militares - Foto: Assis Fernandes/O Dia

Stevenson mencionou ainda o fato de os policiais militares terem se negado a prestar socorro à vítima, descumprindo o que diz a lei 13.060/2015, que impõe ao agente de segurança pública prestar imediato socorro à vítima e a quem foi ferido. O artigo sexto da lei diz que “sempre que o uso da força praticada pelos agentes de segurança pública decorrer em ferimentos em pessoa, deverá ser assegurada a imediata prestação de assistência e socorro médico aos feridos com comunicação do ocorrido à família”.

O promotor explica que o PM tem o dever de socorrer quem foi ferido e que não pode se evadir do local. “É este o outro fundamento do pedido de prisão preventiva: a hierarquia e a disciplina. Essa disciplina militar é em observância a todo texto que for legal, tem vigência não de pessoa a pessoa, mas também ao ordenamento jurídico e não pode ser manchada por ações desastrosas e explosivas de qualquer fundamentação. Ali havia uma perseguição, uma pessoa passou correndo, uma pessoa perdeu a vida”, afirma Assueiro.


O pedido de prisão preventiva dos militares acusados de matar o comerciante na Santa Maria também está fundamentado pela manutenção da ordem pública. A promotoria de justiça destacou que no momento da morte de Cândido, não havia troca de tiro que justificasse os policiais saírem atirando, correndo o risco de acertar qualquer pessoa, inclusive inocentes. Assueiro Stevenson frisa que uma atividade policial bem orientada não é no sentido de atirar onde tem muita gente e que os militares colocaram em perigo a segurança dos cidadãos ali presentes, o que causa revolta e comoção na sociedade. Daí a necessidade de se mantê-los presos.

“Esse crime da forma que foi praticado abalou a ordem pública. Quem é da população que aprova uma ação policial naqueles moldes? A ordem pública foi abalada, porque toda a população conhecia a vítima, eram um homem de bem que perdeu a vida com um tiro na cabeça em uma ação completamente desastrada e foram de qualquer prumo ou orientação legal”, finaliza Assueiro.

Família da vítima pode processar o estado

De acordo com o promotor Assueiro Stevenson, ao final do processo cabe à família do comerciante Cândido Constâncio Filho o direito de processar o Estado pela morte ocorrida durante a ação da PM. Isso, porque seu assassinato é consequência direta da ação de um agente da segurança pública que, em tese, deveria protegê-lo e não colocar sua vida em risco. Ao Estado, por sua vez, cabe o direito de entrar com uma ação contra o agente público apontado como autor do crime.

Quanto à possível dos militares envolvidos no ocorrido, o promotor evitou emitir opiniões, pois se trata de uma decisão administrativa do Comando Geral e da Corregedoria da Polícia Militar conforme os rumos que o processo tomar. No entanto, Assueiro diz que a retirada dos PM’s dos quadros da corporação é uma possibilidade.

A Promotoria de Justiça não teve ainda acesso à tese da defesa, mas acredita que a prisão dos policiais será mantida na audiência de hoje (01) e que, ao final do processo, o que será julgado não é a inocência ou a culpa, mas até que ponto os agentes de segurança pública serão responsabilizados pela morte do comerciante. 

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário