• SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

Preso em São Luís homem acusado de estuprar 12 crianças em THE

Identificado pelas iniciais J.A.R, ele receptava celulares roubados e se apossava da agenda de contato dos aparelhos para escolher suas vítimas e aliciá-las via WhatsApp.

06/02/2020 12:04h - Atualizado em 06/02/2020 12:16h

Foi preso hoje na cidade de São Luís do Maranhão, o homem acusado de estuprar pelo menos 12 adolescentes em Teresina. Identificado apenas pelas iniciais J.A.R, ele fez vítimas não só na Capital piauiense, como também em outros estados como Maranhão, Rio de Janeiro e Ceará. A prisão foi efetuada mediante cumprimento de mandado judicial por policiais maranhenses norteados pelo inquérito presido pelo 21º DP de Teresina.


Leia também: Polícia investiga suspeito de estuprar adolescentes de 12 a 16 anos 


De acordo com o delegado Odilo Sena, que presidiu o inquérito, J.A.R elegia como suas vítimas principalmente as crianças e adolescente por conta de sua fragilidade cognitiva e psicológica. Ele se apossava de informações pessoais delas e as obrigava a postar vídeos e fotos íntimas, além de ele mesmo publicar cenas de sexo. 


O inquérito foi presidido pelo delegado Odilo Sena, titular do 21º DP, e a prisão se deu com ajuda da Força Tarefa da SSP-PI, chefiada pelo major Audivan Nunes - Foto: Assis Fernandes/O Dia

“Ele compartilhava com essas crianças imagens pornográficas ou em situação constrangedora e as ameaçava. Foi uma investigação que começou com algo pequeno e acabou tomando dimensões maiores. Começamos a descobrir que além dos estupros e tentativa de estupro, ele também estava envolvido em outros tipos de crimes como roubo e receptação de aparelhos celulares. Ele utilizava esses celulares para se apropriar das agendas de contatos, escolher suas vítimas e conseguir informações sobre elas”, explica Odilo Sena.

De acordo com a polícia, não houve resistência à prisão. J.A.R será transferido de São Luís para Teresina onde responderá por roubo, receptação, estupro de vulnerável e tentativa de estupro.

Por: Maria Clara Estrêla

Deixe seu comentário