Polícia prende suspeitos de participar de incêndios a ônibus em Teresina

Dois ônibus coletivos foram queimados na zona Sul de Teresina em março deste ano. Polícia cumpre mandados e já prendeu 10 pessoas.

26/04/2019 08:16h

Compartilhar no

A Polícia Civil, por meio do Grupo de Repressão ao Crime Organizado (Greco), prendeu na madrugada desta sexta-feira (26) dez pessoas suspeitas de envolvimento nos incêndios a ônibus coletivos de Teresina ocorridos no último mês de março. A ação faz parte da Operação Ignis, deflagrada em conjunto com a Diretoria de Inteligência, a Delegacia de Entorpecentes, a Polinter e a DNARC de Timon. Estão sendo cumpridos 11 mandados de busca e apreensão.

Dos 10 alvos dos mandados de prisão, cinco estavam em liberdade e cinco já estavam recolhidos ao sistema carcerário. Foram detidos durante a madrugada: Leonardo Oliveira da Costa, conhecido como Léo Gordinho; Alandilson Cardoso Passos; Jardielson dos Santos Souza, conhecido como Dielsin do Afegão; John Pablo Ferreira de Araújo e um adolescente de iniciais W.M.C.G.


Leia também:

"Atearam fogo e não roubaram nada", diz gerente sobre ataque a ônibus 

Menor acusado de atear fogo em ônibus é apreendido pela PM 


Os cinco mandados a serem cumpridos dentro do sistema prisional são contra Marcos Willian da Silva, conhecido como Butiê; Gregório Rodrigues de Sousa, conhecido como Psico; Matheus Pierre dos Santos, o Guerreirinho; Tiago Henrique Portela Gomes, conhecido como Fantasma; e Antoniel Kelson dos Santos, o Toniel.

O que chama a atenção é que um dos alvos de mandado, Leonardo Oliveira da Costa, o Léo Gordinho, já havia sido preso pelo Greco há dois anos. Foi o que informou o delegado Thales Gomes, coordenador da delegacia. De acordo com ele, Léo Gordinho foi o mentor do sequestro à família de uma tesoureira do Banco do Brasil na zona Sul de Teresina. O crime aconteceu no começo de 2017 e ele foi preso um mês depois enquanto participava de uma orgia em um balneário em Timon.

Entenda o que motivou as prisões

Os presos na Operação Ignis são suspeitos de envolvimento nos incêndios a ônibus coletivos ocorridos em Teresina no mês de março deste ano. Os episódios aconteceram em dois dias seguidos na zona Sul e na zona Leste da Capital. O primeiro veículo queimado era da empresa Transcol e o ataque aconteceu na Avenida Principal do Residencial Betinho, no bairro Angelim. Já o segundo caso envolveu um ônibus também da empresa Transcol que fazia linha para o Terminal do Parque Piauí.

Compartilhar no
Por: Maria Clara Estrêla

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário