• SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

Polícia apreende carga de café e leite roubado avaliada em R$ 1 milhão

Quatro pessoas foram presas em Caxias, Timon e Teresina suspeitas de crime de receptação.

18/02/2019 10:36h - Atualizado em 18/02/2019 16:15h

A Polícia Civil, por meio do Grupo de Repressão ao Crime Organizado (Greco) realizou a apreensão de várias cargas de leite e café roubados nas cidades de Caxias, Timon e Teresina. Somados os valores deduzidos de cada apreensão, a carga total foi avaliada em R$ 1 milhão. A ação resultou em quatro pessoas presas.


Foto Divulgação/Polícia Civil

As investigações iniciaram na última sexta-feira (15), quando, em fiscalização de rotina, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) constatou o transporte da carga roubada. Na abordagem, foram presos Francisco da Silva Coelho Filho e Luís Carlos da Silva Coelho, que conduziam um caminhão com uma carga de leite roubado na cidade de Imperatriz-MA. Interrogado, Francisco informou à PRF o endereço de um galpão em Caxias onde o restante da carga estaria escondido.


Ao chegarem ao local, os policiais apreenderam uma carga de café roubada em Minas Gerais. De lá, eles seguiram para Teresina, onde, em uma empresa localizada no bairro São João, encontraram outro carregamento de leite e café. Neste local foi efetuada a prisão de Francisco de Assis Costa Filho pelo crime de receptação.



Foto: Divulgação/Polícia Civil

No sábado de manhã (16), as ações foram deflagradas em Timon, onde a polícia fez diligências em uma distribuidora e encontrou outra carga de leite subtraído ilegalmente em Valença, há cerca de 10 dias. Diante de todo o material recolhido, o delegado Daniell Pires, do Greco entrou com uma representação na Justiça, pedindo a que fossem expedidos mandados de busca e apreensão em um estabelecimento comercial situado na Avenida Presidente Kennedy, em Teresina.

A solicitação foi atendida pelo juiz José Olindo Gil Barbosa e, feita a diligência, mais uma pessoa foi detida: trata-se de Regis Gomes Noronha Mota, responsável pelo estabelecimento.

Os presos foram conduzidos para a sede do Greco, onde prestaram depoimento.

Outro lado

Em nota, o advogado e empresário Régis Gomes Noronha Mota se manifestou sobre a operação que culminou na sua condução à sede da Greco por suspeita de envolvimento no crime.

Leia a nota na íntegra: 

Em relação à matéria publicada sobre operação da Greco a assessoria de imprensa esclarece que:

Régis Gomes Noronha Mota é advogado, mas atua como empresário, portanto seu empreendimento não se relaciona com sua atividade jurídica da qual está temporariamente afastado e tem orgulho de pertencer a classe. 

Sua atuação no ramo empresarial é marcada por uma contida, ilibada e proba, eis que se trata de um negócio familiar, tem endereço fixo, onde continuará de modo honesto exercendo suas atividades normalmente de forma lícita.

A polícia cumpriu seu papel de investigar e o empresário está colaborando com as investigações, fornecendo todas as informações relevantes para o esclarecimento do caso e para provar sua idoneidade em relação ao ocorrido.

Ao final da instrução processual restará provada sua inocência e integridade atacadas por profissionais de imprensa que não tiveram escrúpulos em expor e julgar a imagem de um profissional, pai de família, irmão, filho apenas em busca de audiência explorando fatos que ainda estão sob investigação.

Por fim, afirma que após o encerramento da instrução onde será provada sua inocência, vai buscar os meios judiciais para reparar o dano à sua imagem provocada por pessoas inescrupulosas que se aproveitam da liberdade de informação no Estado Democrático de Direito.

Por: Maria Clara Estrêla e Nathalia Amaral

Deixe seu comentário