Pai será julgado em júri popular por ter matado o filho a facadas em Teresina

O caso aconteceu em outubro do ano passado na Santa Maria da Codipi. Juiz manteve a prisão preventiva do acusado.

17/07/2021 13:52h

Compartilhar no

O juiz Markus Calado Schultz, da 1ª Vara do Tribunal do Júri de Teresina, determinou que o senhor Francisco das Chagas Matias da Silva, acusado de matar o próprio filho a facadas, seja julgado pelo júri popular. O crime aconteceu em 24 de outubro de 2020. Na ocasião, Francisco teria discutido com o filho e, no meio da briga, sacou a faca e o feriu na virilha. Cristiano Sousa da Silva não resistiu e morreu ainda no local.


Leia também: Teresina tem noite violenta com quatro homicídios nas zonas Leste, Norte e Sul 


Em sua sentença, o juiz lembrou que existem provas suficientes colhidas a respeito do crime que autorizam o Ministério Público a prosseguir com a denúncia e que as teses sustentadas pela defesa de Francisco não merecem ser acolhidas porque há indícios suficientes de autoria e materialidade demonstrados nos autos.


Foto: Arquivo O Dia

“No caso, não é possível vislumbrar uma clara e incontestável situação que possa levar à absolvição sumária do acusado. Há de se considerar, pelos depoimentos colhidos durante a fase de instrução criminal, que existem informações de que o acusado já teria proferido ameaças contra a ex-esposa e aos demais filhos, fato este que respalda a alegação do Ministério Público de comportamento doloso a ser apreciada pelo Tribunal do Júri”, afirma o juiz Markus Calado.

Além de determinar que Francisco das Chagas vá a júri popular, o magistrado manteve também a prisão preventiva dele sob o argumento de que o crime praticado por ele foi grave e pelo fato de Francisco já ter, anteriormente, descumprido uma medida cautelar que lhe foi imposta. “Verifica-se as circunstâncias que justificaram o decreto prisional, tendo em vista a periculosidade social do agente, que denota a existência de risco à ordem pública caso seja posto em liberdade”, finaliza o juiz.

Compartilhar no

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário