MP apura desvio de R$ 10 milhões com esquema de laranjas em Elesbão Veloso

A Operação CNPJ Premiado cumpre 13 mandados de busca e apreensão para colher provas de pagamento de propina a servidores públicos.

14/05/2021 09:13h - Atualizado em 15/05/2021 08:52h

Compartilhar no

Atualizada (sábado, 15, às 08:50)

A assessoria do ex-prefeito Ronaldo Barbosa afirmou através de nota que o não houve qualquer irregularidade durante sua gestão. "O ex-prefeito Ronaldo Barbosa informou que não houve nenhuma irregularidade em sua gestão e que está a disposição da justiça para os esclarecimentos necessários", afirma a nota.

Postada na sexta-feira (14)

O Ministério Público do Piauí, por meio do Gaeco (Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado), amanheceu esta sexta-feira (14) cumprindo 13 mandados de busca e apreensão em uma operação que investiga desvio de recursos públicos no município de Elesbão Veloso e outras cidades piauienses envolvendo serviços de coleta de lixo, locação de veículos e obras.


Leia também: Prefeito de Amarante é investigado por esquema de desvio de recursos públicos 


As investigações da Operação CNPJ Premiado apontam que foram criadas empresas de fachada que receberam recursos públicos tanto de Elesbão Veloso quanto de outros municípios piauienses em contratos que ainda estão em vigor. O valor estimado do prejuízo aos cofres públicos com o esquema ultrapassa os R$ 10 milhões.


Foto: Divulgação/Ministério Público do Piauí

Entre os 13 alvos da operação estão pessoas físicas e pessoas jurídicas. A ação foca na atuação específica da Comissão de Licitação do Município de Elesbão Veloso, em que o pregoeiro favorecia empresas muitas das quais criadas e administradas pelo contador do município, sem terem sede real. Elas passavam a receber os recursos públicos sem prestar qualquer serviço.

Quem dá mais detalhes é o promotor José William, integrante do Gaeco. “A operação CNPJ Premiado se refere a contratos que já estavam deliberados e faltava apenas a criação das empresas para fechamento destes contratos. Elas recebiam valores sem prestar serviços ou com terceirização total do objeto, o que é ilegal”.



Foto: Divulgação/Ministério Público do Piauí

A operação de hoje não resultou em prisões, mas se tratava apenas da colheita de provas relacionadas à atuação da organização criminosaque atuava em vários municípios piauienses e em Elesbão Veloso. Além do desvio de verba, o Ministério Público apura também crimes como pagamento de propina a servidores públicos ligados à gestão municipal de Elesbão Veloso e pagamentos suspeitos a parentes do ex-prefeito da cidade, além de lavagem de dinheiro com uso de laranjas.


Foto: 

A Operação CNPJ Premiado conta com o apoio do Tribunal de Contas do Estado (TCE-PI) e das Polícia Civil, Militar e Polícia Rodoviária Federal do Piauí.

A reportagem do Portalodia.com está tentando contato representantes da atua gestão e com o ex-prefeito de Elesbão Veloso.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no
Por: Com informações do Ministério Público do Piauí

Deixe seu comentário