Homem morre e outro é baleado em assalto na Gil Martins

O atirador fugiu do local e ainda não foi identificado. O trânsito na avenida foi comprometido.

28/05/2013 18:10h - Atualizado em 28/05/2013 20:48h

Compartilhar no

Um assaltante foi morto e outro gravemente ferido durante uma tentativa de assalto na Avenida Gil Martins, bairro Tabuleta, zona sul de Teresina. O caso aconteceu por volta das 17h desta terça-feira (28) e atraiu a atenção de centenas de curiosos.

O homem trabalhava na pintura de um portão quando foi rendido pela dupla. Obrigado a entregar um colar, ele esperou os assaltantes retornarem para o veículo antes de reagir.

Quando os criminosos montaram na motocicleta para deixar do local, a vítima sacou uma arma e agiu. Apesar de estarem armados com revólveres calibre 38, os assaltantes sequer revidaram. Vários tiros foram disparados, acertando o tórax e o abdómen de ambos.

Os dois jovens caíram com a moto. Um deles, identificado apenas como Édson, não resistiu aos ferimentos e faleceu no local. O outro, Francisco Anderson da Silva, 19 anos, foi socorrido e levado para o Hospital de Urgências de Teresina (HUT). Submetido a uma cirurgia, está fora de risco.

O atirador permanece foragido. A identidade ainda é desconhecida. Suspeita-se tratar-se de um policial.

Série de assaltos

Logo após a troca de tiros na Avenida Gil Martins, várias pessoas chegaram ao local para reconhecer os criminosos baleados. Eram vítimas recentes da dupla.

O primeiro crime aconteceu em Timon, por volta de 16h. Armados, Édson e Francisco renderam um jovem e roubaram uma motocicleta de 150 cilindradas. O veículo seria usado em uma série de outros assaltos.  

A advogada Maria Amy foi abordada às 16h20 no bairro Saci, zona sul de Teresina. “Eu estava em uma pracinha que fica em frente à minha casa. Eles chegaram de moto e pediram a bolsa. Eu disse que não entregava. Aí um deles desceu, me segurou e tomou á força”, conta. Ela registrava a queixa do roubo no 4º Distrito Policial quando soube do tiroteio.

O mesmo aconteceu com a empregada doméstica Madalena Maria. Ela foi assaltada no bairro Macaúba, também na zona sul. Entregou celular e bolsa a dois homens em uma moto vermelha. “Quando eu registrava o Boletim de Ocorrência no 3º Distrito, me disseram que tinham pegado eles e eu vim aqui reconhecer. Foram eles”, assegura.

O mecânico M.F. conta história semelhante. Ele atendia um cliente em sua oficina, no bairro Cristo Rei, quando a dupla invadiu o estabelecimento e anunciou o assalto. Levaram carteiras, celulares, colares e pulseiras. Ao saber que uma vítima reagiu e baleou os jovens, ele fez questão de reconhecer os dois.

“Primeiro fui lá no HUT e vi um deles. Depois corri pra reconhecer esse aí”, fala, referindo-se ao assaltante caído no asfalto da Avenida Gil Martins.

De acordo com o capitão Fábio Abreu, do grupamento Rondas Ostensivas de Natureza Especial (Rone), pelo menos 10 vítimas dos assaltantes compareceram ao local do tiroteio para reconhecer os criminosos. 

Fotos: Rômulo Maia/portalODIA.com

Compartilhar no
Por: Rômulo Maia

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário