Estelionatários usavam pescador como laranja para fraude bancária em THE

Casal foi preso pelo Grupo de Apoio Operacional da Polícia nesta quinta-feira, sacando R$ 18 mil em agência da Caixa. Um pescador também foi detido.

29/03/2019 08:49h

Compartilhar no

A Polícia Civil, por meio do Grupo de Apoio Operacional (GAO), prendeu na noite desta quinta-feira (28) um casal suspeito de estelionato que praticava crimes em todo o Brasil. Eles estavam em uma agência da Caixa Econômica Federal sacando a importância de R$ 18 mil, de um montante total de R$ 70 mil, que teriam sido arrecadados mediante a contratação de um empréstimo no Estado de São Paulo.

O dinheiro do empréstimo, segundo a polícia, estaria depositado na conta de um pescador aqui de Teresina que seria usado como laranja pelo grupo. Através do depoimento do casal, a polícia conseguiu chegar a té ele e prendê-lo também. O coordenador do GAO, investigador Joatan Gonçalves, deu detalhes de como os criminosos agiam. “Eles faziam um empréstimo em um estado fora e transmitiam esse dinheiro para várias contas bancárias de outros estados. Nesses outros estados, eles tinham laranjas que recebiam essas importâncias, sacavam o dinheiro e depois depositavam os valores de volta para eles em uma terceira conta, tudo para não chamar a atenção da instituição bancária”, relata.


Foto: Divulgação/Polícia Civil

Segundo Joatan, esse pescador de Teresina teria aceitado participar do esquema e cedido sua conta para que os criminosos a utilizassem no empréstimo, porque estaria passando por problemas financeiros e receberia uma parte do valor conseguido na fraude. Em conversa com o gerente da Caixa, a polícia foi informada que o montante de mais de R$ 70 mil provavelmente seria todo sacado para ser depositado não só na conta dos estelionatários, mas também na de outros laranjas em outros estados.


Foto: Divulgação/Polícia Civil

“Essa não é a primeira vez que fazemos prisões de estelionatários com esta prática de crimes em instituições bancárias. A anterior ocorreu em outra agência da Caixa, lá na Areolino de Abreu, onde eles tentavam sacar a importância de mais de R$ 1 milhão e foram interceptados pelo gerente que nos contatou”, diz Joatan.

Nem o pescador nem o casal de estelionatários tiveram seus nomes divulgados pela polícia. O GAO informou que seguirá coletando informações junto à Caixa para chegar aos demais integrantes da organização criminosa que porventura estejam atuando em Teresina.

Compartilhar no
Por: Maria Clara Estrêla, com informações de Chico Filho

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário